Feliz Ano Novo / Feliz Samhain

Esta semana celebramos a passagem do ano pagão que nos faz muito mais sentido que a passagem do ano convencional. O corpo pede recolha e temos desenvolvido actividades maioritariamente no interior, como produtos naturais, preparação de aromáticas e também limpeza, reparação e restauro de equipamentos electrónicos. As tarefas de protecção das madeiras no exterior, antes da chegada definitiva do Inverno, ficaram adiadas enquanto a chuva não der tréguas. O sistema de captura de água da chuva está na cota máxima, depois da precipitação dos últimos dias e já contamos com 1000l capturados apenas em quatro dias. Somos gratos por esta e outras magnificas dádivas da natureza.

Ao mesmo tempo que chegou a chuva, chegou também o frio o que veio a calhar para dar-mos início à utilização das salamandras para aquecer os espaços e a alma. Entretanto, precisamos de reposicionar o painel fotovoltaico para uma inclinação de 70º, optimizando a conversão de luz em energia eléctrica. Já removemos a tela de sombra da cúpula no interior, de maneira a permitir que a luz seja mais intensa e que a mesma se prolongue o máximo possível, agora com os dias estão mais curtos. Este ano adicionaremos a capa velha (que foi entretanto reparada) no telhado para proteger a capa nova durante os próximos meses.

A nossa Galinha tem colocado ovos todos os dias, o milho que colhemos este ano, está debulhado e temos feito pipocas maravilhosas e naturais que comemos junto ao quentinho da salamandra nestas noites frias. Na rua está tudo verdinho e neste momento de renovação, observamos a vida a desenvolver-se, as plantas a crescerem, enquanto nos preparamos para nos recolhermos e celebrarmos a entrada do novo ano Pagão. Entre o pôr do sol de hoje e o nascer do sol de amanhã, segundo os nossos ancestrais, festejamos a partida do velho ano e a chegada do novo. Pagamos tributo aos já falecidos e celebramos as oferendas e dádivas da mãe natureza.

Feliz Samhain para todos! 😉

Actualização Relativamente às Galinhas

Nos próximos tempos, temos de encontrar novas companheiras para a nossa preta lusitânica, pois infelizmente descobrimos da pior forma que as outras duas meninas, já vinham doentes, desde a altura em que as comprámos e não resistiram. Inicialmente quem nos as vendeu, garantiu que certos pormenores no aspecto e comportamento delas eram normais, por haver um galo na capoeira no local de onde elas vinham, mas desde o início percebemos logo, algumas fragilidades e limitações que tinham como galinhas. Não comiam couves, não reconheciam a ração bio em pellets, não comiam lagartas, caracois, lesmas, nem minhocas. Percebemo-nos que apenas conheciam pão, ração pulverizada e algumas ervas mais simples, que devia ser o alimento ao qual tiveram acesso durante os primeiros dois anos de vida.

Sendo assim era impossível serem saudáveis com esse tipo de alimentação. Faleceram as duas da mesma forma e com os mesmos sintomas, que depois de alguma investigação, percebemos que é uma doença que já vinha incubada nelas e que pode manter-se activa para contágio até durante três meses. Aparentemente, esta que sobreviveu pode não ter sido contagiada, mas não há certezas de nada, visto que ainda não voltou à postura de ovos. Aparentemente esta menina, está a reagir bem e com bom aspecto. Já recuperou todas as penas, está bastante activa, mas nada nos diz que não tenha sido contaminada pelas outras duas. Vamos aguardar e esperar pelo melhor.

Regressando à Captura de Água da Chuva

A tarde e especialmente a noite de ontem para hoje, foi muito chuvosa e fria por aqui. Estiveram 14 graus com uma humidade de 80 a 90%. Como é óbvio depois de termos recolhido lenha e pinhas na semana passada, aproveitámos para acender a salamandra pela primeira vez este ano e para cozinhar uma guloseima, para alimentar o espírito. Com toda esta água, o solo e as plantas estão muito bem e está tudo muito mais crescido. A próxima fase de cobertura de solo em verde para o inverno arranca agora com as pequenas plântulas que estão a ocupar o espaço. Apenas nestas 24h, no nosso pequeno telheiro de 9m2, conseguimos capturar 400l de água da chuva que vão ficar armazenados para serem utilizados para lavagem de utensílios, pré-lavagem de panos, rega e ainda diluições de urina ou de chorume de minhocas, como é habitual.

Se quiserem saber mais sobre o sistema de captura de água da chuva, podem consultar a página: https://bit.ly/2pXVzZZ

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Próximas Gerações e Aprendizagens Significativas

Depois do episódio de Sábado, somos ainda mais gratos pelas nossas opções, pelo que somos e pelo que temos crescido como família. Em conjunto, já organizámos parte das sementes recolhidas este ano que vão agora ser congeladas, como é o caso do milho. Estamos também a preparar sementes que congelámos o ano passado para poderem ser semeadas na próxima época. É um dos truques que utilizamos para evitar o gorgulho do milho, que no primeiro ano aqui, nos trocou as voltas. Há que garantir as próxima gerações de plantas e novas sementes! Hoje separámos sementes de couve, tomate, rabanete e milho.

O que há a aprender, é sempre feito ao nosso ritmo, sem pressões exteriores. Isto é válido tanto para nós, como para a nossa menina, que do seu jeito e no seu tempo, vai fazendo aprendizagens significativas integradas nas actividades do nosso dia-a-dia, explorando em brincadeira o seu alimento, as plantas, os seus ciclos e a forma como se reproduzem, bem como os nomes, as palavras, as letras e os números que fazem naturalmente parte dessa exploração. Tudo isto, sem necessidade de currículos, metas, expectativas, avaliações ou com actividades “planeadas”. Foi assim que aprendeu a andar e a falar, e é assim que vai aprender, o que sentir necessidade de levar consigo! 😉

Para celebrar a vida, hoje fomos até à beira mar, fazer uma caminhada em família! 😉

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Preparativos, a Incerteza e o Furacão Leslie

Este sábado sentimos de perto o que se poderia ter tornado numa tragédia. Com a chegada do Furacão Leslie a Portugal Continental, Peniche foi dos primeiros pontos de embate. A natureza é soberana e mesmo com todos os preparativos possíveis e imaginários não há quem a pare. Preparámos o que foi possível dentro das nossas limitações, sentimos o embate inicial muito forte em que até a cúpula abanava a cada rajada de 80km/h. Estamos a agradecidos por termos sentido apenas uma parte da força total, que no espaço de uma hora, foi fazer estragos mais a norte, na zona da Figueira da Foz e Coimbra. No dia seguinte, regressou o Sol com algum vento, os estragos no jardim/horta foram mínimos e o mais importante, as estruturas e os conceitos completamente intocados. Obrigado a todos os que se preocuparam connosco, felizmente acabou por ser, só de raspão! 😉

Energia, Colheitas, Composto e Restauros

Esta semana, transformámos podas do terreno, em lenha para este inverno e fomos até ao pinhal recolher pinhas, para servirem de acendalha dos nossos conceitos a lenha. Entretanto conseguimos reunir mais elementos de madeira que vamos desfazer e cortar em breve para juntar ao que recolhemos e organizámos no telheiro da lenha.

Ainda no nosso espaço, aproveitámos para reparar algumas ferramentas, adaptando, lixando e protegendo a madeira das mesmas, melhorando a sua utilização e durabilidade.

Por vezes, gostamos também, de ir reenergizar a outros espaços, pelo que demos uma escapadinha até uma terra vizinha, onde ainda existe um espaço limitado mas com uma mata diversa onde se podem observar zonas em estádios mais evoluídos.

Continuamos a colher figos de final de época, bem como, os nossos milhos tradicionais e  tomates adaptados ao nosso clima e solo. As novas culturas estão a desenvolver-se bem e em breve publicamos fotos sobre a sua evolução.

Hoje revolvemos o nosso composto para soltar, arejar e peneirar parte do mesmo, retirando os pequenos resíduos plásticos que infelizmente ainda vamos encontrando no solo. Outros vêm mesmo misturados nas aparas de madeira que vêm da carpintaria. Depois de limpinho, voltámos a cobrir com restos vegetais secos para manter a humidade e protegê-lo da acção do Sol e está pronto a usar nos próximos canteiros.

Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Evolução do Espaço – Out. 2018

Esta semana tem sido de imenso trabalho, cuidando das novas plântulas, podando e transformando ramos indesejados, ao mesmo tempo que vamos substituindo algumas plantas anuais ou algumas que não prosperaram como desejado. Aos poucos vamos afinando e embelezando o espaço, aproveitando para triturar toda a matéria e cobrindo o solo com a mesma. Sob vigilância, vamos permitindo que as nossas galinhas acedam a novos espaços para controlar invasoras, insectos indesejados e fertilizar o solo.

Neste momento, continuamos a colher figos de outra figueira que os disponibiliza agora, tivemos ainda alguns marmelos duma pequena árvore muito jovem e até já temos alguma tangerinas boas, mas fora de época. Continuamos a renovar as sementes nativas tradicionais de milho que nos foram cedidas há dois anos e neste momento já contamos com muitas mais do que as que nos foram oferecidas! 😉

Hoje, tivemos a oportunidade de cortar e ficar com a matéria de uma nespereira morta que estava no terreno do vizinho. Assim vamos poder transformar esta árvore morta em lenha para o inverno e em cobertura de solo para os caminhos. Os próximos tempos serão de transformação, recolha e protecção preparando o espaço para o inverno que vai chegar.