Utopia vs Realidade

Por vezes, apanhamos com o “filme” de certas “cabecinhas pensadoras”, que acham piada ao que fazemos, mas meter a massa cinzenta a processar dá muita chatice e então para estes, tudo o que fazemos e defendemos, são utopias. Na realidade, limitamo-nos a viver de forma simples, utilizando o mais possível, aquele bocado de chicha que temos entre as orelhas. Somos especialistas a fechar ciclos e a jogar o jogo da vida, com as ferramentas que a natureza nos deu. O alimento que a terra deu, foi processado no nosso organismo, excretado pelo mesmo, e o resultado, devidamente compostado e transformado de novo em solo, que hoje fertiliza os nossos canteiros, preparando-os para a próxima época produtiva. Será que é assim tão utópico? 😉

Resumindo, o ciclo da alimentação fechou-se hoje aqui, de uma forma bastante simples, num processo que demora quase dois anos, Nesse processo temos pessoas felizes e verdadeiramente ecológicas, que não poluem água potável com descargas de sanitas. Temos pessoas divertidas, curiosas e participativas no processo de peneiragem e preparação dos próximos canteiros que nos darão mais e melhor comida. Há fertilizante natural biológico em abundância a ser aplicado na produção das próximas culturas, há passeios de carrinho de mão e aulas de biologia com mãos na massa. Por fim, há também muitas sementinhas de girassol para a nossa menina recolher, trabalhando várias competências assentes em prazer, curiosidade e utilidade prática.

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Aprende a Gerir a tua Própria M…

Um tema que parece tabu para muitos, para nós é perfeitamente normal, até porque mais do que nos alimentarmos maioritariamente de forma vegetariana ou vegan, mais do que recolhermos água da chuva ou mais do que produzirmos a maior parte da nossa necessidade energética, continuamos a afirmar que há muito para fazer quanto aos “outputs” humanos. Toda a gente hoje em dia é “ecológica”, todos fazem isto e aquilo, mas infelizmente quase todos utilizam uma sanita convencional onde descarregam em água potável, desperdiçando um número brutal de energia e recursos que seriam uma grande base de um sistema equilibrado e verdadeiramente ecológico.

Há soluções, mesmo para quem vive na cidade ou num apartamento, mas ninguém quer ter o trabalho de pensar nelas. No entanto são muitos os que partilham incessantemente nas redes sociais as campanhas de sensibilização de limpeza das praias e as campanhas de poupança de água, etc, etc…

Número 1 – foi excretado? ok, tem de ir parar ao solo e não despejado num meio aquático para ser transportado para outro lugar.

Número 2 – Cobrir sempre com matéria orgânica seca, rica em carbono (palha, aparas de madeira, serradura, etc…)

Número 3 – Pode ser regado para manter o nivel de humidade

Número 4 – Repetir até o compostor ou o espaço destinado estar cheio

Número 5 – Criar um novo espaço de compostagem e repetir os pontos 1 a 4 deixando o primeiro compostor ou espaço de compostagem repousar durante um ano e meio.

Número 6 – Passado um ano e meio, recolher um maravilhoso solo rico em nutrientes para alimentar vasos, covetes de germinação ou canteiros de hortas

P.S- Para quem vive em apartamento ou na cidade tem mais lógica colocar o conteúdo de uma sanita seca nos contentores de lixo orgânico do que despejá-lo em água potável. Pensem nisso!

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Colhendo Batata Doce, Tupinambo e Tomate

Aos poucos o solo vai maturando e suportando espécies mais exigentes ou mais complexas relativamente ao solo que aqui encontrámos há três anos. Este ano, colhemos as nossas primeiras batatas doces de um pequeno canteiro experimental, em que o solo não foi preparado ou remexido, não foi fertilizado e apenas foi utilizada uma técnica simples de cobertura com cartão e palha. Desta experiência em pequena escala ainda conseguimos colher quase 4kg de batata doce! 😉 Colhemos pela primeira vez tupinambo e os tomates tem sido aquela base constante, todos os dias, vários por dia de forma regular. Debaixo das folhas e plantas de batata doce, debaixo da camada de palha e da camada de cartão, encontrámos matéria orgânica decomposta recentemente e ainda encontrámos uma nova habitante que se refugiou neste ambiente húmido de um canteiro que está todo o dia exposto ao Sol. Esta é mais uma prova de que a cobertura de solo é muito importante tanto na regeneração do solo como na manutenção da actividade biológica do mesmo.

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Fabricando Cobertura de Solo

Durante as duas últimas semanas temos investido tempo na manutenção do espaço. Uma das prioridades é manter o solo coberto, seja para uma maior retenção de humidade e matéria orgânica ou para favorecer e suportar a actividade biológica do solo. Triturámos todos os ramos e podas que estavam em espera e um volume enorme de canas, transformando assim um problema numa oportunidade. Desta forma gradualmente teremos um solo mais rico, mais vivo e com uma maior capacidade de regeneração e produção. Esta estilha foi principalmente utilizada na cobertura de canteiros e ao redor de todas as árvores.

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Produtos, Recursos e Resolução de Problemas

Esta semana preparámos os nossos recentes bálsamos, sabonetes e velas naturais ecológicos, que estão disponíveis para os nossos apoiantes e para encomenda em: https://bit.ly/2q5xsZa

Recuperámos ainda motores eléctricos funcionais, de alguns equipamentos avariados e recentemente o nosso amigo Melo, ofereceu-nos baterias velhas de computador portátil para reciclar, que prontamente desmontámos e aproveitámos as células individuais. iremos testá-las, calibrá-las e possivelmente utilizá-las noutros projectos de energia alternativa. Para quem nos segue e tiver baterias de portátil para reciclar e quiserem doar-nos, agradecemos imenso a oferta! 😉

Por fim e após cinco anos, conseguimos finalmente investir num pequeno triturador de ramos que necessitamos especialmente para nos livrarmos do excesso de canas que produzimos anualmente. Desta forma, não só nos livramos de um problema como ao mesmo tempo, libertamos espaços e criamos cobertura de solo rica em matéria orgânica. Esta foi espalhada em volta de todas as árvores, no espaço dos animais e no solo junto do canavial e à WC das Visitas! Como sempre, a nossa menina também ajudou nas tarefas, passando-nos canas para triturarmos e cuidando dos animais. Nas últimas imagens, podemos observá-la a levar restos de cozinha, para alimentar as nossas minhocas no vermicompostor! 😉

Gostaste das dicas? Para nos seguires mais de perto, subscreve já! 😉

Procurando Paraísos que Sobreviveram

Sempre que temos a oportunidade de sair do nosso pequeno paraíso, vamos até onde o coração nos leva, procurando por outros paraísos que ainda sobrevivem por aí. Procuramos especialmente nos concelhos que foram dizimados pela ganância humana em anos anteriores, mas que ainda escondem certas preciosidades que se conseguiram salvar. O caminho até lá, está despido e de toros queimados com novos rebentos de monoculturas que repetidamente inundam a paisagem, mas ao contrário do que o “outro” diz,… Volta sim, aos lugares onde já foste feliz. Neste caso, em alguns destes locais, já lá fui feliz no passado, fomos felizes desta vez em família e tenho a certeza que voltaremos a ser felizes quando lá voltarmos! 😉

Colheitas, Sementes e Manutenções, com Muita Brincadeira na Água ou à Sombra

Para que os nossos conceitos de madeira e os dos nossos animais se mantenham funcionais, é constante a preocupação em termos os espaços devidamente cuidados e limpos. No próximo mês, aplicaremos protector nas madeiras expostas, mas nesta altura, começamos a tratar de fazer pequenas manutenções para prepararmos tudo para o próximo inverno. Na semana passada o calor foi demasiado por aqui também, o que nos forçou a umas pausas matinais, para irmos dar um mergulho. Entre colheitas, aproveitámos principalmente os inícios das manhãs ou nos finais de tarde para seleccionarmos sementes de grão e rabanete. Nessas alturas cuidámos dos canteiros da horta, onde aguardamos que as alfaces que estão em flor, nos tragam em breve, a primeira geração de sementes adaptadas ao nosso solo e clima! Quando o calor apertava, nada como umas brincadeiras debaixo da mangueira e na água ou então no refúgio da cama de rede, sob a sombra da figueira! 😉

Upgrade WC – Arrefecimento e Instalação Eléctrica 12v

Finalmente após dois anos de termos criado a nossa mini wc seca desmontável e transportável, conseguimos reunir todo o material que reutilizámos agora para  fazermos um upgrade ao sistema. Passámos a contar com uma bateria dedicada de 12v, que através de dois interruptores independentes permitem accionar uma ventoinha de extração de calor e odores ligeiramente mais forte que a antiga (ajudando a climatizar o conceito no verão), ao mesmo tempo que alimenta ainda uma calha de luz LED, fornecendo luz a qualquer hora do dia ou da noite, de forma independente! 😉

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Colheitas, Sementes e Bicharada

Com espaço disponível onde antigamente tínhamos a carrinha, podemos agora começar a pensar em novas aventuras. O espaço é pequeno mas realmente é um paraíso para os animais. Já registámos inúmeras espécies de aves, traças, escaravelhos, aranhas, lagartixas, rãs, coelhos, ouriços, ratinhos de campo e está claro, gataria então é o que mais aqui vem! Sentimos que estamos no bom caminho! 😉

Continuamos a colher material da horta. O milho infelizmente só agora com este Sol dos últimos dias e calor definitivo é que vai evoluir. A rúcula e o rabanete já deram vagens com semente, o grão está praticamente pronto para apanhar, as batatas doces ainda têm de esperar um pouco até ao final do mês, o Girassol está agora a ser polinizado e as alfaces estão quase em flor. As ameixas e as pêras estão quase no ponto e os abacateiros estão a conseguir aguentar-se já há algum tempo. Estamos a torcer para o seu sucesso, visto que ainda jovem, são bastante sensíveis.

Em Constante Mudança e no Bom Caminho

Nas duas últimas semanas decorreram algumas mudanças no projecto, umas boas, outras não tão boas, mas esse navegar com a vida é que nos faz acordar com olhos no futuro,  não deixando de viver o presente.

Vendemos a nossa carrinha clássica, para podermos continuar a fazer evoluir o projecto investindo em novos recursos e resolvemos alguns pormenores técnicos relacionados com o terreno, que contribuem para a nossa resiliência a longo prazo.

Em relação aos animais, uma gata selvagem matou o coelho que cá andava e Infelizmente, uma das nossas galinhas, que já acusava algum problema desde o início, mas que nunca conseguimos diagnosticar, foi ficando gradualmente debilitada. Num curto espaço de dias não resistiu. Desconfiámos desde o início pois sabíamos que pelo menos uma delas não estava a colocar ovos. Agora ficamos com a companhia de apenas duas meninas.

Têm surgido oportunidades que nos vão permitindo fazer o projecto avançar e especialmente pessoas que acreditam e confiam no nosso trabalho. Estes últimos continuam a ajudar-nos e a investir em nós, como é o caso da nossa amiga Luísa que nos visitou a semana passada e que sempre nos presenteia com a sua presença e com doações fantásticas, que vão desde sementes ou cartão, a aparelhos electrónicos para recuperar e dar uma segunda vida, bem como, ferramentas de trabalho. Foi um bom dia de convívio com muita partilha pessoal, entre pessoas verdadeiras, sem capas e sem máscaras! 😉 Obrigado amiga Luísa, por todo o apoio que nos tens dado! Beijo nosso! 😉

Praticando o Desapego. Fim de um Projecto de Dois Anos

O dia de hoje e a última semana têm sido de emoções fortes. Após dois anos de um projecto de recuperação de uma carrinha clássica fantástica, hoje como forma de praticar o desapego e como forma de permitirmos que mais pessoas possam usufruir da nossa criação, despedimo-nos dela, relembrando a energia, a dedicação e todo o trabalho envolvido neste projecto. Sabemos que fica bem entregue a uma família de quatro elementos e que esperamos que tenham sucesso com a sua utilização, que vivam tantas ou mais aventuras que as que nós vivemos e que continuem os trabalho de manutenção e recuperação para não a deixarem morrer por falta de cuidados.

Crimes Ambientais

A nossa vida é centrada na preocupação ambiental de forma a garantirmos que a nossa espécie se mantenha com condições de vida neste planeta. Infelizmente no local onde vivemos, parece que todas as outras pessoas trabalham no sentido inverso.

Vivemos num espaço urbano/rural que ao mesmo tempo é um grande destino turístico e que devia ser uma referência ecológica a nível nacional. Contamos com um povo que lutou no passado contra centrais nucleares, que luta hoje contra explorações petrolíferas, é ou não é uma vergonha que as Juntas de Freguesia de Peniche, desrespeitem as leis da natureza constantemente? Continuam as aplicações de glifosato nas árvores que estão em espaço público, anexo a casas de habitação, num local onde circulam os habitantes, os seus filhos e os seus animais de companhia, que respiram e transportam consigo este veneno aumentando exponencialmente os casos de cancro no nosso País. Há ainda duas aplicações anuais, directas nos passeios, portas e serventias de todas as casas. Até quando é que vamos aguentar isto?

E não fica por aqui, pois infelizmente os utentes das nossas praias, mostram também a sua grande preocupação desta forma. Capturámos imagens na praia do Baleal, ontem ao final do dia. E isto repete-se todos os dias. Será muito difícil as pessoas levarem consigo o próprio “lixo” e separá-lo devidamente já em casa para que isto não aconteça? Todos somos responsáveis, todos temos uma voz activa e todos temos o dever cívico de não deixar que estas situações aconteçam. Respeitem-nos e façam-nos o favor de se cumprirem como gente.

Horta/Jardim Comestível – Final de Julho

Demoraram a chegar os dias mais quentes e com toda a chuva que caiu não nos parece que este venha a ser um ano de muita fruta. Até há poucos dias, o céu nublado e a chuva miúda reinavam. Hoje, praticamente no final de Julho, este é o aspecto do nosso humilde projecto. Cada vez com mais espécies, maior diversidade, mais nutrientes e com mais estratos preenchidos. Mesmo as zonas em que não há produção, há cobertura de solo! 😉

Manutenção Compostores e Chuveiro Solar

Como parte do processo de manutenção do espaço, os nossos compostores têm um papel muito importante e são utilizados praticamente todos os dias. No processo de implementação do nosso espaço, os resíduos humanos foram desde o início, o ponto principal de ataque, de forma a não estarmos dependentes de uma rede de tratamento de esgotos ou fossas sépticas que estão completamente obsoletas. Desta forma transformamos o que seria supostamente um problema, numa oportunidade. Anualmente, temos vários compostores em funcionamento, com pelo menos um deles, em fase de repouso enquanto outro em fase activa no processo de compostagem de resíduos humanos (humanure). Nas seguintes imagens poderão ver um compostor em fase activa e quase cheio, depois um compostor com um ano e meio de repouso e finalmente o interior desse compostor com toda a matéria pronta e transformada em solo, rico em nutrientes para incorporar na horta e para germinar novas sementes!

Ainda esta semana, como parte do processo de manutenção do espaço envolvente ao chuveiro exterior solar, colhemos erva príncipe que rodeia o chuveiro, renovámos caminhos com casca de pinheiro, removemos ervas invasoras com as quais alimentamos as nossas galinhas e por fim cobrimos o solo com palha em início de decomposição e já com algum micélio! A pouco e pouco vamos protegendo e construindo o nosso solo ao mesmo tempo que vamos introduzindo mais espécies. No espaço mais aberto que libertámos, vamos tentar incluir abacateiros para preencherem aquele estrato médio / alto no futuro, fazendo companhia a um abacateiro que se deu bem e ainda lá está.

Gostaste da Dica? Subscreve agora! 😉

Gratidão e Abundância

Diariamente fazemos o nosso melhor, com o que ainda consideramos ser pouco sabermos. Agradavelmente vamos descobrindo e aplicando ao nosso ritmo, os conhecimentos sob a forma de investimento no mundo natural, que este nos devolve atempadamente, em forma de abundância. O solo ainda não está perfeito, mas está muito mais evoluído e capaz do que há três anos atrás, quando estava morto, cheio de lixo e completamente rapado. Esperamos ao longo dos próximos anos, continuarmos a assistir a uma evolução exponencial de todos os sistemas e principalmente, continuar a aperfeiçoar as nossas próprias sementes. Já temos sementes de 2ª geração e recentemente de 1ª, que estamos a recolher este ano, já completamente adaptadas ao nosso solo e clima. A comida tem ido directamente da horta para o prato e mesmo que não tenha a “perfeição” do tamanho e do o aspecto convencional, o valor nutricional é bem superior! 😉 Ao mesmo tempo recolhemos e secamos medicinais, observamos e tentamos identificar as novas espécies que vêm habitar o espaço connosco, vemos a fruta a maturar nas árvores, recolhemos sementes e cuidamos da nossa saúde ingerindo comida verdadeira, sem agrotóxicos e não modificada geneticamente.

Gostaste da Dica? Subscreve agora! 😉

Evolução do Espaço – Primeira Quinzena da Julho

Neste momento, colhemos diariamente tudo o que a natureza nos oferece ao seu ritmo. Um par de tomates dali, umas folhas de alface daqui, uma cebola de acolá, um alho francês, uns rabanetes e umas folhas de couve e rúcula do outro lado. As árvores já dão Figos e Peras, as Ameixas vêm a caminho juntamente com os Marmelos e as Pêras mais tardias. Nunca vimos tantas abelhas e especialmente Zangões que incansavelmente nos ajudam na manutenção do espaço. A luta contra as “infestantes” vai sendo resolvida aos poucos e de forma manual, dirigindo essa matéria “inoportuna”, transformando-a numa oportunidade na pilha de composto, à volta das árvores ou na alimentação das galinhas que transformam todos os nutrientes em ovos. Aqui ficam alguns registos fotográficos:

Novas Habitantes Completamente Integradas

As novas habitantes estão completamente integradas, andando à sua vontade a explorar cada recanto, alimentado-se do que querem e quando querem, com água da chuva suficientemente disponível para a sua necessidade. Entram e saem livremente da capoeira que tem a porta sempre aberta para não as condicionarmos na sua vontade. Já se habituaram a colocar os ovos no interior e todos os dias têm ervas fresquinhas que colhemos no jardim, para complementar a sua alimentação.

Celebrações, Viagens e Alguns Paraísos Urbanos

Pouco publicámos nos últimos 15 dias. Muitas coisas aconteceram, desde projectos inesperadamente adiados, problemas de saúde na família e uma recente viagem de celebração e convívio. Passadas estas duas semanas, tudo está calmo de novo. Estamos principalmente aliviados com a resolução dos problemas de saúde na família e que felizmente tiveram um bom desfecho. Aos poucos, regressámos ao nosso registo, festejando em família o terceiro aniversário da nossa menina e celebrando-o mais calmamente, uma semana depois, numa viagem até ao norte de Portugal, onde fomos em busca de mundos naturais dentro de uma grande cidade. Descobrimos verdadeiros paraísos no Parque Biológico de Gaia, na Quinta do Covelo e no Parque das Lavandeiras. Três sugestões a não perder  para as quais deixamos alguns registos fotográficos.

Três Novas Amigas!

Recuando a 2013, recordamos a altura em que as nossas primeiras Pretas Lusitânicas, conquistaram o seu espaço no nosso projecto. Hoje, passados quase 5 anos voltamos a dar as boas vindas a três novos elementos, para os quais temos vindo a trabalhar nos últimos meses no sentido de terem um espaço digno para viverem e proliferarem, ajudando-nos nas tarefas de recuperação do solo, ao mesmo tempo que nos fornecem alimento e moeda de troca sob a forma de ovos.

Para isso, hoje fomos até Santarém, visitar a Dra. Inês Carolino e a sua equipa do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, que tem vindo a trabalhar no sentido de preservar aa quatro raças autóctones nacionais de galinhas, dando depois seguimento aos interessados em dar uma vida digna a estes animais. Nós somos um desses casos e para isso fomos até lá para trazermos três Pretas Lusitânicas, para o nosso espaço. Parece que se estão a adaptar bem, estão ainda um pouco desconfiadas mas parece que com todas estas mordomias vão adaptar-se rapidamente! 😉