Novas Criações e Restauros Vintage

Nos últimos dias, com o bom tempo no exterior, aproveitámos para trabalhar na rua criando pormenores de finalização de certos projectos. Convertemos um velho banco, numa pequena estante para o abrigo hobbit e criámos uma pala para a porta do yurt que se adequa melhor à nova tela do telhado afastando a água o mais possível da mesma. Fizemos ainda novos caminhos e um novo canteiro paralelo aos outros que já temos. A hortinha de consociações e o espaço envolvente estão a evoluir bastante e em breve vamos poder iniciar as colheitas! Algumas deixamos mesmo ir para semente, para termos semente nova para a próxima época 😉

Esta semana doaram-nos ainda uma relíquia vintage de 1975, um AIKO ATPR-412 fabricado no Japão, que estava bastante mal tratado, com o apoio interno das pilhas partido, resíduos de baterias explodidas no interior, muita poeira e mesmo lixo agarrado há décadas no plástico. Até depois da limpeza inicial, era impossível sentirmo-nos satisfeitos com o resultado e daí termos feito uma limpeza mais profunda até que o pudéssemos testar e utilizar devidamente. A grande vantagem deste aparelho é que além da sua versatilidade, com diferentes tipos de entradas e saídas, é que permite ser conectado a 110, 220 ou 12 volts. Está a funcionar, tem um som bastante agradável e temos aproveitado para usá-lo como rádio portátil, ligado directamente ao painel solar por ficha de isqueiro a 12v. Consta até da listagem da radiomuseum.org em: https://www.radiomuseum.org/r/aiko_atpr412atpr_41.html

Chegadas e a Partidas

E é assim! Novos projectos surgem, outros terminam. Pessoas vêm e outras vão, objectos chegam feios e saem bonitos. Aceitamos a chegada e partida de tudo, no tempo certo e tendo em atenção que se fez o melhor possível, com o que se tem e onde se está, para que tudo se torne melhor na saída em relação à entrada. Ao mesmo tempo que hoje anunciamos a chegada e montagem de um chapéu novo para o Yurt que veio restaurar e embelezar o nosso conceito de habitação, o equilíbrio diz-nos que está na hora de disponibilizarmos a nossa fiel companheira para quem deseje partir à aventura.

É uma carrinha Mercedes MB130 de 1982, está impecável de motor, tem 147.000km, 2400cc de 70 e qq coisa cavalos.  Média de 8l de gasóleo aos 100. Não são obrigatórios cintos atrás. De livrete tem “até 9 lugares”, muito importante pois pode circular com apenas os dois da frente, com 5, 7 ou com os 9. Como nunca escondemos, precisa de trabalho exterior a nivel de chapa/carroçaria, algo que se a carrinha estiver protegida com telheiro como nós temos ou em garagem, pouca diferença faz para quem a for usar a não ser certos pormenores estéticos. Foi toda reparada por dentro inclusive na cabine frontal e adicionados vários sistemas, incluindo o módulo de arrumação/banco/cama que se monta em segundos e que se separa do chão de madeira e cortiça permitindo ser facilmente retirado.

O anúncio de venda está no OLX com todos os detalhes em: https://bit.ly/2k8pZpu

O trabalho de hoje com a ajuda do nosso amigo João:

Realidade, Manutenções e Doações.

Viver desta forma e querer fazer evoluir um espaço de forma ecológica e sustentável, é sinónimo de muito trabalho e pouco descanso, ao contrário daquilo que te é vendido nos cursos de permacultura e nos videos do youtube. Geralmente parece que basta um grande planeamento inicial (que se parte do princípio que já tens todos os conhecimentos para poderes fazer esse grande planeamento, o que nunca corresponde à realidade), e depois, momentos de acção, que geralmente envolvem alguma gente nova, muito saudável e evoluída espiritualmente, que voluntariamente irá fazer o trabalho por ti. Na prática e na realidade, em condições normais, terás de ser tu a meter mãos na massa e fazer o teu percurso sozinho, porque cada um tem a sua vida e muito poucos ou nenhuns se chegam à frente para te ajudar, mesmo os teus amigos que acham piada ao que andas a fazer. Por outro lado, se queres ajuda à séria e não tens como pagar essa ajuda ou até com quem trocar serviços, lamento informar-te mais vais ter de meter mãos na massa a dobrar e contares apenas contigo. Daí a nossa abordagem ser a de mostrar que na realidade, são os conjuntos de pequenas acções diárias feitas por nós, que resultam a longo prazo na busca por uma maior auto-suficiência e crescimento pessoal.

Os últimos dias têm estado fantásticos para trabalhar na rua e é aí que temos concentrado os nossos esforços. Já temos o espaço todo “tosquiado”, as plantas mais importantes libertadas e as árvores conduzidas para um melhor e mais rápido crescimento. Recentemente foram-nos doados dois objectos de grande volume, os quais não poderíamos ter recolhido sem a nossa preciosa relíquia, a nossa carrinha multifuncional de 1982, que acabou de completar 36 anos, 147.000km, e que nos levou tranquilamente esta semana até Lisboa, onde fomos recolher um compostor para o espaço das galinhas e uma máquina de costura antiga a pedal em versão condensada, de uma amiga do coração que a têm desde 1950. Quem nos doa objectos sabe que além de os recuperarmos e/ou estimarmos realmente, estes nunca ficarão esquecidos ao tempo ou abandonados num barracão.  Obrigado pelas fantásticas ofertas. Em cada uma delas, há sempre um sentimento de reconhecimento pelo nosso trabalho e confiança de que estes objectos, terão uma segunda vida digna, no nosso projecto de ecologia. Obrigado! 😉

Gostaste das dicas? Subscreve agora! 😉

Maio 2018 – Banhos na Rua, Controlo de Ervas e Evolução do Espaço

Com o regresso do bom tempo nos últimos dias, os banhos na rua com a água aquecida pelo Sol têm sido recorrentes. Desta forma, o processo de banho fica facilitado, pois não necessitamos de acender a bailarina a lenha e ao utilizarmos o duche exterior, regamos automaticamente as nossas plantas de erva príncipe, que rodeiam toda a base. Até a nossa pequenota aproveitou a sua “piscina” no mesmo espaço para brincar e tomar banho. Imperativo foi também o controlo do tamanho das ervas que se desenvolveram no último mês. A sua invasão indesejada dos espaços, foi resolvida com a técnica simples de “corte e largada” ou arrancando manualmente algumas mais persistentes, que ficam no local ou são transportadas para o compostor. Recolhemos mais medicinais para procedermos à sua secagem, tanto para serem usadas em infusões como nas macerações com as quais fazemos os nossos produtos de saúde e bem-estar. Na horta está tudo a crescer também e o espaço está a cada dia mais bonito e os frutos já espreitam nas árvores! 😉

Se desejas saber mais e aprender de forma personalizada, de acordo com os teus interesses, temos todo o gosto em receber-te numa visita guiada ao nosso espaço. Para sabers mais clica aqui: https://bit.ly/2FfHrBq

Para todas as notícias relacionadas com o nosso trabalho subscreve agora:

Optimização, Manutenção Inesperada e Resiliência

Esta última semana foi repleta de actividades, pois estamos a tentar fazer o máximo possível para compensar os meses mais quentes que não irão permitir que desenvolvamos actividades na rua, dentro do horário de maior calor e exposição solar. Com o sol mais “alto” no céu, chegou a hora de reposicionar o painel solar, colocando-o com uma inclinação aproximada de 30º. Desta forma optimizamos a captura de energia pelo sistema e ganhamos ainda preciosos amperes para acumular nos nossos pontos de armazenamento.

Já que tivemos de trabalhar em altura, aproveitámos para remover, limpar e adaptar novos parafusos na cúpula do Yurt. Infelizmente descobrimos recentemente que a nossa tela do telhado atingiu o seu limite. com quase 6 anos de utilização, começando a descoser-se em vários pontos o que nos vai obrigar a uma despesa extra que não esperávamos neste momento, para procedermos à substituição da mesma. De maneira a evitar infiltrações, colocámos temporariamente peças de madeira no telhado a cobrir as uniões descosidas, enquanto aguardamos pela nova tela.

A limitação de estarmos dependentes de alguém, para que possamos ter uma nova tela de cobertura, veio demonstrar-nos que temos os próximos 5 anos para começar a pensar em criar uma solução de cobertura mais duradoura a longo prazo ou em criar um novo conceito habitacional, o qual possamos nós mesmo resolver este tipo de situação. Resumindo. Este é mais um ponto a trabalhar na resiliência do yurt. Felizmente todos os outros conceitos já tiveram este pormenor em atenção.

Horta, Espaço dos Animais e Novos Caminhos

Nos últimos dois dias temos feito evoluir ainda mais, o espaço da horta e dos animais. O espaço anexo à área vedada recentemente, foi revolvido a 15 cm de profundidade para remover pedras ou lixo, alisado e coberto com cartão e palha no canteiro a Sul junto à vedação e coberto com cartão e casca de pinheiro nos caminhos feitos entre canteiros. Os restantes caminhos de acesso às diferentes áreas, também foram revolvidos e cobertos utilizando o mesmo sistema. Por fim, criámos um novo canteiro imediatamente à direita da entrada no espaço, iniciando a nova incursão de canteiros para produção alimentar. Ao mesmo tempo que as tarefas decorriam, a nossa menina deliciava-se com a sua nova “piscina”, uma pequena dorna de 120 litros que mesmo pouca cheia, faz as maravilhas de qualquer criança! 😉

Gostaste da Dica? Subscreve agora! 😉

Dolorosa Evolução

A última semana, foi uma semana onde infelizmente, tivemos de lidar com a dor da perda e com a frustração de lidar com coisas que estão fora do nosso controlo e da nossa vontade. O nosso gatinho Badé, que tão carinhosamente acolhemos durante as últimas semanas, foi um lutador. A mãe abandonou-o (prevendo talvez a sua fragilidade) e nós fizemos de tudo para o ter e manter bem. Infelizmente a natureza, não quis que assim fosse e ele partiu inesperadamente, deixando-nos com menos um pedaço. O Badé nas poucas semanas de vida que teve, foi amado, acarinhado e cuidado, mas custou-nos termos presenciado a sua partida, o que aconteceu com sofrimento dele e nosso. No dia em que partiu, decidimos que ficaria connosco, num dos locais mais bonitos do espaço, perto do Baloiço da Gaia e no meio de muitas Calêndulas. Dedicámos-lhe este espacinho e fizémos-lhe uma placa em Xilogravura que colocámos imediatamente na frente da sua campa, como forma de última homenagem e para o recordarmos com o mesmo carinho, sempre que passarmos por ela.

Um obrigado especial à nossa amiga Ana, que desde que encontrámos o Badé, nos  enviou leite, biberão e comida, ajudando e ensinando a cuidar o melhor possível dele e com a qual eu estive pessoalmente em comunicação desesperada e a chorar baba e ranho, na hora em que morte decidiu roubar-mo. Beijo amiga. obrigado por tudo

Até já, meu querido Badé!

P.S. – Obrigado a todos os amigos que nos deixaram lindas palavras pelo facebook. Tal como referiram, esta dolorosa evolução chegou sob a forma cedência e compromisso, transformação e dor, culpa e responsabilidade, aceitação e acima de tudo, muito amor e carinho.

Dia do Trabalhador – Celebrando Conquistas

Por aqui, dias de semana. fins de semana ou feriados é tudo igual. O dia descanso é quando se quer ou quando se pode. Não existem dias marcados e as comemorações são realizadas de acordo com as nossas conquistas pessoais e não de acordo com o instituído por um governo ou religião. Celebrando as conquistas laborais de quem está no sistema, hoje, dia do trabalhador, celebramos a conclusão da vedação e portada de acesso da área dos animais. Com eles, estabeleceremos parcerias em que ambas as partes beneficiarão, ao contrário das “produções/explorações animais” com uma atitude de subjugação de outra espécie para benefício próprio. Este é o verdadeiro espirito do futuro dia do trabalhador, o dia em que se celebram conquistas, fazendo o que se ama, rodeado de quem tem significado na nossa vida e fora do sistema capitalista patrão-empregado. Bom dia do trabalhador! 😉

Gostaste da Dica? Subscreve agora! 😉

Procura Sempre a Melhor Relação Custo/Qualidade

Quando pretendes iniciar um projecto, convém pedires orçamentos de material em vários locais e optares pelo que te oferecer uma melhor relação custo/qualidade. Todo esse processo envolve paciência e investigação , mas quando bem executado o processo resulta em conceitos duradouros e acessíveis do ponto de vista monetário. Entre ontem e hoje fixámos manualmente (a maço), postes de madeira para compor e vedar o espaço dos animais. Como forma de tornar o processo mais simples e mais económico, optámos por investir em postes de madeira tratada de mais ou menos 1,80m, que enterrámos directamente no chão a cerca de 40cm a 50cm de profundidade. De todas as opções de rede a que tivemos acesso, a mais resistente e económica foi a rede metálica de 120cm envolta em plástico verde e menos de 3 euros o metro. Se tivéssemos optado apenas por rede galvanizada, no próximo ano estaria tudo ferrugento, vendo rapidamente o prazo de manutenção reduzido. Sendo assim, já temos neste momento o espaço vedado. Nos próximos dias vamos construir uma portada de acesso ao espaço, também ela em madeira tratada e vedada com uma sobra de rede.

Gostaste da Dica? Em breve terás acesso a conteúdos exclusivos que apenas te chegarão por email! Subscreve agora! 😉


Apresentamo-vos o Badé

Como este é o ano da bicharada, já percebemos que além das galinhas, o gatinho preto que nos foi presenteado pela própria mãe na sexta-feira 13 passada, e que resgatámos da morte, vai provavelmente ficar cá por casa. Eu só espero que quando o “Badé” crescer, não raspe ou rasgue nenhuma tela, não se meta com as galinhas e não me vá mexer na horta, senão está tramado comigo. Um grande obrigado à nossa amiga Ana que nos tem dado dicas preciosas e até nos enviou comida de emergência, um biberão e ainda outras coisas, que nos permitiram salvar esta vidinha! 😉 Hoje, com cerca de três semanas, ele parece forte, anda (gatinha), trepa a tudo, já vai comendo papa sólida, devora o biberão e arranha toda a gente enquanto as suas necessidades não estão satisfeitas. Salta constantemente da caixa para andar a explorar ou à nossa procura. A origem do nome Badé, tem um significado especial para nós como família, pois a Gaia, quando ainda balbuciava, e não falava como fala hoje, sempre que via um gato, seja fisicamente ou numa ilustração, automaticamente dizia “Badé”. E pronto, este é o Badé! 😉

P.S. – Se alguém tiver uma caixa de transporte e/ou uma caixa de areia com peneira, que não use e que não se importe de nos ceder, o Badé agradece! 😉

Acordar e Saltar da Cama para a Rua!

O dia de hoje esteve maravilhoso, foi só acordar e saltar da cama para a rua, para irmos fazer coisas bonitas. Já temos mais germinações encaminhadas e todos os dias se preparam novos tabuleiros. Assim que possível, fomos até ao espaço que estamos a criar para animais e optámos por não pintar a capoeira, mas sim, aplicar-lhe um óleo pigmentado para exteriores, que ajudou a uniformizar a cor, ao mesmo tempo que estamos a embeber a madeira com esta solução, que a irá proteger ao longo do tempo. Todos participámos na aplicação desta primeira de mão e a nossa pequenota não queria parar de “pintar”. Amanhã vamos à segunda dose.

Tal como os nossos conceitos, esta capoeira ficará o mais off the grid possível. Da parte da tarde, comecei a trabalhar no sistema de captura de água da chuva que depois de alguns cortes e adaptações nas tubagens e ferragens de fixação, lá ficou pronta com o ângulo e curvatura indicado para este tipo de cobertura e com o desnível suficiente para dirigir a água para a tubagem de descarga. Depois do chão nivelado e uniformizado com dois tijolos largos, reutilizámos uma sobra de tricapa onde assentou o nosso depósito de água mais pequeno, que estava sem utilização, mas que nos acompanha há anos. Aqui ficarão armazenadas umas belas dezenas de litros de água da chuva que darão de beber às galinhas. Falta-nos agora criar, o sistema de filtragem e entrada de água no depósito, bem como a descarga de água excedente. Os paus para a vedação também já estão a postos, mas ainda estamos a analisar a melhor forma de vedar o espaço! 😉

 

Arrisca, Experimenta e Aprende Fazendo

Hoje trabalhou-se um pouco fora da zona de conforto. Durante o último ano, aprendemos a trabalhar mais a sério com a rebarbadora quando recuperámos o interior da nossa carrinha. Foi nessa altura que perdemos o medo de errar e aprendemos a dominar as técnicas e a utilizar diferentes tipos de discos e protecções. Há que arriscar, experimentar e aprender fazendo. Agora com a capoeira, surgiu mais uma vez a oportunidade de fazermos algo novo. Fizemos um tabuleiro metálico que  pode não ter ficado perfeito, mas ficou perto, tendo em conta as limitações! 😉

Cortámos, quinámos, limpámos arestas e arredondámos cantos duma chapa de medidas standart nova e tudo isto de forma artesanal para construirmos o nosso próprio tabuleiro de chapa galvanizada que vai no fundo da capoeira.

Com sobras de madeira construimos 3 ninhos geminados e removíveis e adicionámos finalmente o sistema de retenção da porta principal de acesso. De construção em si, parece estar tudo. Falta apenas lixar, colocar silicone em algum ponto crítico e pintar a capoeira! 😉

Gostaste das dicas? Subscreve agora! 😉

Porque Deves a Ti Próprio, Seres a Tua Melhor Versão

Mesmo com frio e tempo nublado, há que aproveitar para trabalhar na rua sempre que não chove. Provavelmente para muitos, com a quantidade de horas de trabalho e material já aplicado na nossa capoeira, bastava agora adicionar umas dobradiças na porta, com um fecho improvisado e estava pronta a usar. Na nossa visão nunca nos devemos contentar com o que é medíocre, pois esse, é o primeiro passo para se falhar. Não precisas de ser “perfeito”, mas se procuras este estilo de vida, nunca te esqueças que é imperativo que sejas metódico, organizado e fazeres o necessário para seres a tua melhor versão. Além disso, deves tentar prever e visualizar diferentes problemas que podem surgir e atacar na sua resolução, logo de início, de acordo com o que tens, onde estás e o que sabes fazer.

Hoje criámos a porta definitiva em contraplacado reutilizado, com um aro exterior arredondado e sem quinas vivas para evitar a acumulação de humidade, aplicámos duas dobradiças novas e um sistema de fecho reutilizado. Adicionámos perfis personalizados de madeira tratada para proteger os pontos críticos e evitar infiltrações que são os inimigos número um dos conceitos de madeira e ainda construimos uma prancha (sobra de forra reutilizada em madeira tratada) para acesso das galinhas. Por fim adicionámos um poleiro interior onde poderão dormir elevadas do chão. Ao contrário do que se pensa, os poleiros deverão ter a forma de um paralelepípedo rectangular e não de um cilindro. As galinhas têm pés que assentam em suportes planos ao contrário de várias aves. Nunca te esqueças que é a atenção ao pormenor e a tua dedicação, que te fazem ter sucesso nos projectos que desenvolveres.

Agora falta-nos apenas criar o tabuleiro metálico removível, para facilitar a limpeza e proteger o chão de madeira. Vamos ainda aplicar silicone em alguns pontos e pintar o exterior de todo o conceito com tinta aquosa para madeira, para prolongarmos a sua durabilidade. Está quase! 😉

Gostaste das dicas? Subscreve agora! 😉

Reutilizar Material Tem os Seus Custos

Avançámos mais um pouco na construção da nossa capoeira móvel, mas reutilizar material, tem os seus custos pois o tempo despendido nesta actividade nunca é contabilizado como gasto. O facto de conseguires recolher materiais que já têm outros cortes e muitas vezes, como se tratam de sobras descartadas por erros de corte, obriga-te primeiro a acertares todas as peças, para depois conseguires ter uma base certa e perpendicular ou paralela, para as medidas das peças que pretendes criar, sairem o mais certas possível. Felizmente com tempo tempo, imaginação e algumas sobras de material tens a oportunidade de criar novos conceitos.

Por exemplo, hoje adicionámos dobradiças e pegas reutilizadas de outras construções antigas, na capoeira. Fixámos tampas laterais de sobras de contraplacado de 20mm, um fundo de aglomerado de 20mm na base do chão flutuante, isolámos certos pontos com um resto de silicone, no interior. Criámos ainda, a portada traseira de contraplacado tricapa que se abre totalmente por meio de dobradiças para limpeza e remoção do tabuleiro ao nível da cintura. Ainda vamos criar essa peça, que vai tornar a manutenção mais célere, sem posições desnecessárias e em esforço físico. Faltam ainda vários pormenores, como a adição de perfis em todo o exterior, as ferragens da porta, a escada de acesso, a trave interior onde poderão dormir elevadas da base interna, a lixagem a pintura definitiva para proteger o conceito e o referido tabuleiro de acrílico ou metálico conforme o que conseguirmos inventar.

Reutilizámos também uma estrutura metálica, uma base redonda de OSB e 4 tijolos burro, que permitem que o ar circular livremente por baixo do conceito, ao mesmo tempo que o adaptam a oscilações causadas por vento mais forte sem que se danifique a estrutura. Por outro lado, mantemos o conceito elevado do solo, longe de humidade, de possíveis predadores ou roedores e sem a necessidade de adicionar mais material (madeira). Não estando fixa, permite facilmente ser alterada a sua localização, de acordo com a necessidade ou condições climatéricas! Pode ainda ser transportada no interior de uma carrinha comercial.

Queres acompanhar mais de perto? Subscreve para receberes todas as novas publicações no teu mail! 😉

O Que Realmente Queres, Tu Consegues!

Um dia mais perto de concluir o nosso conceito móvel de capoeira. Hoje, já com porta hobbit e sistema de retenção, bem como, com um telheiro fantástico e bem comprido, para evitar que a chuva atinja a parede fontal e traseira de madeira. O telheiro traseiro é articulável e permitirá abrir o conceito para limpeza, manutenção e principalmente, retirar ovos! 😉 O que realmente se quer, consegue-se! 😉

Já subscreveste as nossas notícias para nos seguires mais de perto? Subscreve agora! 😉

Visitas, Recursos Gratuitos, Materiais e Novos Projectos

Com o bom tempo dos últimos dias, esta semana continuamos a avançar com mais germinações que irão ocupar os espaços que formos preparando e tornando disponíveis para plantío. Ainda tivemos tempo de receber amigos para conviver, brincar com água da dorna, mergulhar nas ervas e balançar no novo baloiço. A Ines, o Rui e o Max ofereceram-nos fantásticas ferramentas de madeira e de metal que eram do Max e que agora ficaram para a Gaia brincar na horta. Obrigado amigos. Até já! 😉

Ontem recolhemos imenso cartão no papelão junto a uma padaria, que vamos poder utilizar na cobertura de solo das novas camas que pretendemos fazer no modo (“no dig bed” – Canteiro directo sem necessidade de cavar). Só nos falta a estilha para cobrir o cartão e podermos plantar directamente. Vamos ver o que se arranja nos próximos tempos! 😉

Hoje, e antes que o tempo mude de novo, a nossa carrinha voltou à estrada. É um prazer conduzir esta relíquia. Depois das verificações habituais, arranca sempre à primeira e nunca desilude. Lá fomos buscar material para o telhado da capoeira, e madeira tratada para um projecto novo! O que será que andamos a planear?

Queres saber mais? Subscreve já! 😉

 

Usa o que tens, no local onde estás e de acordo com o que sabes

Nos últimos meses, criámos de raiz, dois projectos de capoeira que não chegaram a avançar. Mesmo depois de simularmos e optimizarmos custos e material, não há situação nenhuma, que bata a reutilização e a gratuitidade de materiais. Foi-nos oferecida ontem, parte uma bancada de armazenamento de pão com alguns anos que tem estado esquecida e armazenada numa velha garagem. Automaticamente visualizei o produto final e o que conseguiria fazer daquela velha peça. No nosso pequeno armazenamento de restos de madeira, encontrámos os materiais que nos faltavam e assim de repente, estamos bem encaminhados, no processo de construção da nossa nova capoeira transportável. Vai ter capacidade para três ou quatro galinhas, que é o suficiente para as nossas necessidades. Este conceito. é completamente realizado com sobras de material, peças reutilizadas e até os parafusos são velhos e reutilizados. O nossa dica é, usa ou reutiliza o que tens, no local onde estás e de acordo com as tuas competências! 🙂

Ainda falta criarmos as restantes peças, adicionar janelas, respiradores, criar a abertura da porta e a porta em si, adicionar pés e telhados, proteger a madeira dos elementos, criar um sistema simples de limpeza e renovação das camas, e ainda, criar os sistema de captura de água da chuva e alimentação que serão acoplados na mesma. Até agora é este o progresso, que é mais demorado, devido a adaptações da madeira reutilizada de forma a ter utilidade neste projecto.

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Porquê pagar, quando podes tu mesmo, construir?

Com o bom tempo de regresso, há que aproveitar bem para colocar o projecto a funcionar de novo. Durante a manhã fizemos mais xarope de sabugueiro, Deu-se uma limpeza geral e arrumo no telheiro da lenha, refez-se caminhos e cobriram-se plantas com mulch. Como estava com saudades de meter a mão na massa e mexer nas minhas ferramentas, toca de fazer um baloiço à maneira para a Gaia, apenas com material reutilizado. A única coisa comprada foram os cerra-cabos que permitem facilmente alterar ou desmontar o sistema. Porquê pagar um baloiço de plástico e metal com uma brutal pegada carbónica e um potencial material para aterro em final de vida, quando podes tu mesmo construir com materiais naturais que muitas vezes já tens em casa? Este é feito apenas com imaginação, corda natural e madeira. Os cerra-cabos são os únicos elementos extra e que terão sempre função, Não há fim de vida para este conceito! 😉

Até agora o gatinho que estamos a tentar salvar, tem respondido bem ao nosso apoio, mexe-se bastante, reclama alto quando quer papinha e dorme como um anjo quando está satisfeito! Ronrona sempre depois da barriga cheia e acompanhada de massagem! 😉

Salvando Vidas

Tivemos uma surpresa inesperada nesta sexta-feira passada, dia 13. Uma Gata sem dono, que por cá andava de vez em quando, veio parir no nosso telheiro da lenha. Já tínhamos dado por ela e pela presença de bebés, mas nunca interferimos. Esperámos que seguisse o seu caminho tal como já tinha feito no passado. Realmente assim aconteceu, mas para nossa surpresa deixou um dos filhotes para trás e durante todo o dia não regressou para o resgatar. Enquanto aguardámos, o gatinho passou o dia todo sem mamar e o com frio do final da tarde a chegar, não conseguiríamos permitir que este bébé morresse por negligência. Tratámos de recolhê-lo e inventar algo para ele beber com os ingredientes possíveis naquela noite. No dia seguinte, felizmente os nossos amigos Ana e Bruno, enviaram-nos o leite indicado, com uma mamadeira provisória. Entre conta-gotas e mamadeira lá temos vindo a alimentá-lo e a deixá-lo descansar no conforto do nosso Yurt. De noite fica próximo da salamandra pois como é muito jovem, ainda tem dificuldade na sua regulação térmica. Até agora parece que está tudo a correr bem. Parece que já tem umas três semanas, tem os olhos abertos, está vivaço, anda sempre em movimento sempre que está acordado, está a alimentar-se e a dormir bem. Vamos ver se ele se aguenta. Esperamos que sim e estamos cá para ajudar enquanto nos for possível.

Age Sempre que te Surge uma Oportunidade

Há muito que se diz, “não deixes para amanhã, o que podes fazer hoje!” Por cá sempre que surge uma oportunidade não a deixamos escapar, pois num dia há condições de execução e no outro pode já não haver. Esta semana preparámos sementeiras com a nossa pequenota, plantámos a primeira parte da horta e espaço envolvente, embelezámos o espaço e ainda demos uma “penteadela” valente nas zonas em que pretendemos ou actuar ou zonas de circulação e que estavam a ficar bastante populacionadas. Toda a matéria cortada, ficou directamente no chão para acelerar o processo de decomposição/compostagem ao mesmo tempo que protege o solo da exposição solar. Obrigado amigo Bruno pela ajuda! 😉

O mesmo ditado aplica-se também quando se trata de poder salvar uma vida e foi isso que nos aconteceu mas isso fica para o próximo post! 😉

Gostaste da Dica? Subscreve agora! 😉