Parece Primavera

Como os dias têm estado maravilhosos, e parece mesmo primavera, temos aproveitado a oportunidade de passar mais tempo no exterior, a mondar, transplantar, regar, podar, triturar e a criar cobertura de solo. Estamos finalmente a dar um toque nas laranjeiras que estavam há anos a aguardar uma poda que permita que a luz e o ar circulem livremente na área interior da copa. Ainda há trabalho para concluir nos próximos dias nesse sentido.

Sempre que possível, aproveitamos também para almoçar na rua na mesa exterior que criámos no ano passado. Depois do almoço mudámos finalmente a mesa, para a sua área de Primavera/Verão, visto que temos de começar a pensar nos espaços disponíveis e acessíveis, para instalar a futura oficina móvel.

Esta semana conseguimos ainda colher e secar flores, criar novos sabonetes, enviar algumas encomendas para apoiantes e acima de tudo, conseguimos recuperar / reparar mais alguns equipamentos electrónicos que iam a caminho do aterro ou de desmantelamento, o que nos deixa sempre felizes, não só porque aprendemos sempre algo novo, como evitamos o desperdício de algo que ainda tem vida útil. O que me faz mais confusão é mesmo a quantidade de aparelhos que toda a gente “manda fora”, que são reparáveis e que podem continuar a exercer a sua função perfeitamente.

Um Novo Ciclo de Celebrações

Demos início ao novo ciclo de celebrações de Final de Ano, com a montagem em família, do nosso conceito minimalista de Árvore de Natal. Somos gratos pela onda de generosidade característica desta época e queremos agradecer em especial, as ofertas/doações de equipamentos que os nossos amigos Riikka e Pedro, fizeram recentemente. Vamos dar uma segunda vida a esses equipamentos, restaurando-os e/ou reutilizando-os em futuros projectos evitando que vão parar um aterro ou que sejam desmantelados enquanto estiverem a funcionar em condições. Uma das ofertas foi um velhinho portátil, que é uma robusta máquina de guerra de 2003, mas que já tratámos de começar o processo de limpeza, para podermos passar à fase seguinte da sua recuperação. Obrigado por estas prendinhas antecipadas! 😉

Canteiros Outono/Inverno e Reparar, reparar, reparar!

Nos últimos tempos, temos trabalhado e brincado na rua, onde entre cuidar do espaço, fazer pinturas ou desenhos, preparámos novas mudas para introduzir nos canteiros alimentares de outono/inverno, que acabámos de fertilizar e cobrir. Fizemos também algumas transplantações de plantas para novos vasos com mais espaço e nutrientes, para introduzirmos no espaço, assim que regressarem as primeiras chuvas. Ao mesmo tempo, tive necessidade de pessoalmente, dedicar-me a alguns projectos pendentes, relacionados com o restauro e reparação de diferentes aparelhos que recolhemos, que nos foram oferecidos ou para os quais foram requisitados os nossos serviços de restauro. Acreditamos que mais importante que reciclar, é reparar e dar nova vida ao que está estragado ou degradado. A cultura do usa e deita fora, tem os dias contados há muito tempo!

Esta semana além do trabalho do “salvamento” do macbook da nossa amiga Wendy, continuamos a desmontar e a testar, baterias velhas de portáteis para o novo projecto de energia. Reparámos ainda um candeeiro que estava completamente inutilizado com os plásticos internos de apoio e fixação todos partidos, limpámos e restaurámos duas consolas de videojogos, uma fonte de alimentação com 26 anos e um carregador de portátil a 12v. Aos poucos, vamos adicionando novas skills e competências ao nosso cardápio, pois acreditamos que cada vez será mais importante reparar para continuar a utilizar. Esta visão e conceitos são transversais a todo o nosso projecto e totalmente de acordo com um estilo de vida ecológico, onde se valorizam os escassos recursos.

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Produtos, Recursos e Resolução de Problemas

Esta semana preparámos os nossos recentes bálsamos, sabonetes e velas naturais ecológicos, que estão disponíveis para os nossos apoiantes e para encomenda em: https://bit.ly/2q5xsZa

Recuperámos ainda motores eléctricos funcionais, de alguns equipamentos avariados e recentemente o nosso amigo Melo, ofereceu-nos baterias velhas de computador portátil para reciclar, que prontamente desmontámos e aproveitámos as células individuais. iremos testá-las, calibrá-las e possivelmente utilizá-las noutros projectos de energia alternativa. Para quem nos segue e tiver baterias de portátil para reciclar e quiserem doar-nos, agradecemos imenso a oferta! 😉

Por fim e após cinco anos, conseguimos finalmente investir num pequeno triturador de ramos que necessitamos especialmente para nos livrarmos do excesso de canas que produzimos anualmente. Desta forma, não só nos livramos de um problema como ao mesmo tempo, libertamos espaços e criamos cobertura de solo rica em matéria orgânica. Esta foi espalhada em volta de todas as árvores, no espaço dos animais e no solo junto do canavial e à WC das Visitas! Como sempre, a nossa menina também ajudou nas tarefas, passando-nos canas para triturarmos e cuidando dos animais. Nas últimas imagens, podemos observá-la a levar restos de cozinha, para alimentar as nossas minhocas no vermicompostor! 😉

Gostaste das dicas? Para nos seguires mais de perto, subscreve já! 😉

Upgrade WC – Arrefecimento e Instalação Eléctrica 12v

Finalmente após dois anos de termos criado a nossa mini wc seca desmontável e transportável, conseguimos reunir todo o material que reutilizámos agora para  fazermos um upgrade ao sistema. Passámos a contar com uma bateria dedicada de 12v, que através de dois interruptores independentes permitem accionar uma ventoinha de extração de calor e odores ligeiramente mais forte que a antiga (ajudando a climatizar o conceito no verão), ao mesmo tempo que alimenta ainda uma calha de luz LED, fornecendo luz a qualquer hora do dia ou da noite, de forma independente! 😉

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Em Constante Mudança e no Bom Caminho

Nas duas últimas semanas decorreram algumas mudanças no projecto, umas boas, outras não tão boas, mas esse navegar com a vida é que nos faz acordar com olhos no futuro,  não deixando de viver o presente.

Vendemos a nossa carrinha clássica, para podermos continuar a fazer evoluir o projecto investindo em novos recursos e resolvemos alguns pormenores técnicos relacionados com o terreno, que contribuem para a nossa resiliência a longo prazo.

Em relação aos animais, uma gata selvagem matou o coelho que cá andava e Infelizmente, uma das nossas galinhas, que já acusava algum problema desde o início, mas que nunca conseguimos diagnosticar, foi ficando gradualmente debilitada. Num curto espaço de dias não resistiu. Desconfiámos desde o início pois sabíamos que pelo menos uma delas não estava a colocar ovos. Agora ficamos com a companhia de apenas duas meninas.

Têm surgido oportunidades que nos vão permitindo fazer o projecto avançar e especialmente pessoas que acreditam e confiam no nosso trabalho. Estes últimos continuam a ajudar-nos e a investir em nós, como é o caso da nossa amiga Luísa que nos visitou a semana passada e que sempre nos presenteia com a sua presença e com doações fantásticas, que vão desde sementes ou cartão, a aparelhos electrónicos para recuperar e dar uma segunda vida, bem como, ferramentas de trabalho. Foi um bom dia de convívio com muita partilha pessoal, entre pessoas verdadeiras, sem capas e sem máscaras! 😉 Obrigado amiga Luísa, por todo o apoio que nos tens dado! Beijo nosso! 😉

Praticando o Desapego. Fim de um Projecto de Dois Anos

O dia de hoje e a última semana têm sido de emoções fortes. Após dois anos de um projecto de recuperação de uma carrinha clássica fantástica, hoje como forma de praticar o desapego e como forma de permitirmos que mais pessoas possam usufruir da nossa criação, despedimo-nos dela, relembrando a energia, a dedicação e todo o trabalho envolvido neste projecto. Sabemos que fica bem entregue a uma família de quatro elementos e que esperamos que tenham sucesso com a sua utilização, que vivam tantas ou mais aventuras que as que nós vivemos e que continuem os trabalho de manutenção e recuperação para não a deixarem morrer por falta de cuidados.

Canas, Comida Verdadeira e Finalização do Espaço das Galinhas

Na tarde da última publicação, ainda atacámos canas… à mão! Foi duro, mas temos o espaço mais liberto com este corredor junto ao muro, que nos facilita o acesso à tubagem de transporte da água do poço, em caso de necessidade de manutenção. Por outro lado, vamos reunir esta matéria para secar. Idealmente precisávamos de um triturador de ramos, para poder transformar toda esta massa em estilha, que utilizaríamos como cobertura de solo nos canteiros! Os canteiros estão cada vez mais bonitos com comida verdadeira, a desenvolver-se neles. Orgânica, biológica, vegan, livre de OGM’s, liivre de pesticidas, livre de fertilizantes químicos, local e com pegada carbónica nula. Melhor não há! 😉

Depois de uma breve pausa ontem, para passarmos o dia a brincar com a nossa menina no dia da criança, hoje atacámos com força finalizando o espaço das galinhas. Com tubagens de esgoto, criámos um comedouro exterior com tampa estanque, que permite ser alimentado na vertical e que fica protegido da chuva. Por fim transformámos o depósito de recolha de água da chuva criando um filtro de partículas na tampa, através da reutilização de uma grelha velha antissalpicos, em aço inoxidável, do IKEA.

Novas Aprendizagens, Produtos Naturais e a Evolução da Horta

Esta semana temo-nos focado na realização de novas aprendizagens e desenvolvimento de competências que complementam a nossa formação. Aos poucos vou explorando mais e mais sobre electrónica, reparações e manuseamento de ferramentas e novas técnicas.

Estamos a criar de novo, os nossos conjuntos exclusivos de produtos naturais que estarão disponíveis em breve, para os amigos do projecto que investem em nós, ajudando dessa forma a desenvolver o espaço. Mais info em: https://bit.ly/2pgxNZi

Temos também investido no cuidado e manutenção das espécies vegetais, pois com a chuva intermitente, crescem tanto as plantas desejáveis como todas as outras e é necessário andar sempre em cima para não virar selva impenetrável.

Resumo… Parar, nunca! 😉

Gostaste da dica. Subscreve agora! 😉

Novas Criações e Restauros Vintage

Nos últimos dias, com o bom tempo no exterior, aproveitámos para trabalhar na rua criando pormenores de finalização de certos projectos. Convertemos um velho banco, numa pequena estante para o abrigo hobbit e criámos uma pala para a porta do yurt que se adequa melhor à nova tela do telhado afastando a água o mais possível da mesma. Fizemos ainda novos caminhos e um novo canteiro paralelo aos outros que já temos. A hortinha de consociações e o espaço envolvente estão a evoluir bastante e em breve vamos poder iniciar as colheitas! Algumas deixamos mesmo ir para semente, para termos semente nova para a próxima época 😉

Esta semana doaram-nos ainda uma relíquia vintage de 1975, um AIKO ATPR-412 fabricado no Japão, que estava bastante mal tratado, com o apoio interno das pilhas partido, resíduos de baterias explodidas no interior, muita poeira e mesmo lixo agarrado há décadas no plástico. Até depois da limpeza inicial, era impossível sentirmo-nos satisfeitos com o resultado e daí termos feito uma limpeza mais profunda até que o pudéssemos testar e utilizar devidamente. A grande vantagem deste aparelho é que além da sua versatilidade, com diferentes tipos de entradas e saídas, é que permite ser conectado a 110, 220 ou 12 volts. Está a funcionar, tem um som bastante agradável e temos aproveitado para usá-lo como rádio portátil, ligado directamente ao painel solar por ficha de isqueiro a 12v. Consta até da listagem da radiomuseum.org em: https://www.radiomuseum.org/r/aiko_atpr412atpr_41.html

Chegadas e a Partidas

E é assim! Novos projectos surgem, outros terminam. Pessoas vêm e outras vão, objectos chegam feios e saem bonitos. Aceitamos a chegada e partida de tudo, no tempo certo e tendo em atenção que se fez o melhor possível, com o que se tem e onde se está, para que tudo se torne melhor na saída em relação à entrada. Ao mesmo tempo que hoje anunciamos a chegada e montagem de um chapéu novo para o Yurt que veio restaurar e embelezar o nosso conceito de habitação, o equilíbrio diz-nos que está na hora de disponibilizarmos a nossa fiel companheira para quem deseje partir à aventura.

É uma carrinha Mercedes MB130 de 1982, está impecável de motor, tem 147.000km, 2400cc de 70 e qq coisa cavalos.  Média de 8l de gasóleo aos 100. Não são obrigatórios cintos atrás. De livrete tem “até 9 lugares”, muito importante pois pode circular com apenas os dois da frente, com 5, 7 ou com os 9. Como nunca escondemos, precisa de trabalho exterior a nivel de chapa/carroçaria, algo que se a carrinha estiver protegida com telheiro como nós temos ou em garagem, pouca diferença faz para quem a for usar a não ser certos pormenores estéticos. Foi toda reparada por dentro inclusive na cabine frontal e adicionados vários sistemas, incluindo o módulo de arrumação/banco/cama que se monta em segundos e que se separa do chão de madeira e cortiça permitindo ser facilmente retirado.

O anúncio de venda está no OLX com todos os detalhes em: https://bit.ly/2k8pZpu

O trabalho de hoje com a ajuda do nosso amigo João:

Realidade, Manutenções e Doações.

Viver desta forma e querer fazer evoluir um espaço de forma ecológica e sustentável, é sinónimo de muito trabalho e pouco descanso, ao contrário daquilo que te é vendido nos cursos de permacultura e nos videos do youtube. Geralmente parece que basta um grande planeamento inicial (que se parte do princípio que já tens todos os conhecimentos para poderes fazer esse grande planeamento, o que nunca corresponde à realidade), e depois, momentos de acção, que geralmente envolvem alguma gente nova, muito saudável e evoluída espiritualmente, que voluntariamente irá fazer o trabalho por ti. Na prática e na realidade, em condições normais, terás de ser tu a meter mãos na massa e fazer o teu percurso sozinho, porque cada um tem a sua vida e muito poucos ou nenhuns se chegam à frente para te ajudar, mesmo os teus amigos que acham piada ao que andas a fazer. Por outro lado, se queres ajuda à séria e não tens como pagar essa ajuda ou até com quem trocar serviços, lamento informar-te mais vais ter de meter mãos na massa a dobrar e contares apenas contigo. Daí a nossa abordagem ser a de mostrar que na realidade, são os conjuntos de pequenas acções diárias feitas por nós, que resultam a longo prazo na busca por uma maior auto-suficiência e crescimento pessoal.

Os últimos dias têm estado fantásticos para trabalhar na rua e é aí que temos concentrado os nossos esforços. Já temos o espaço todo “tosquiado”, as plantas mais importantes libertadas e as árvores conduzidas para um melhor e mais rápido crescimento. Recentemente foram-nos doados dois objectos de grande volume, os quais não poderíamos ter recolhido sem a nossa preciosa relíquia, a nossa carrinha multifuncional de 1982, que acabou de completar 36 anos, 147.000km, e que nos levou tranquilamente esta semana até Lisboa, onde fomos recolher um compostor para o espaço das galinhas e uma máquina de costura antiga a pedal em versão condensada, de uma amiga do coração que a têm desde 1950. Quem nos doa objectos sabe que além de os recuperarmos e/ou estimarmos realmente, estes nunca ficarão esquecidos ao tempo ou abandonados num barracão.  Obrigado pelas fantásticas ofertas. Em cada uma delas, há sempre um sentimento de reconhecimento pelo nosso trabalho e confiança de que estes objectos, terão uma segunda vida digna, no nosso projecto de ecologia. Obrigado! 😉

Gostaste das dicas? Subscreve agora! 😉

Apresentamo-vos o Badé

Como este é o ano da bicharada, já percebemos que além das galinhas, o gatinho preto que nos foi presenteado pela própria mãe na sexta-feira 13 passada, e que resgatámos da morte, vai provavelmente ficar cá por casa. Eu só espero que quando o “Badé” crescer, não raspe ou rasgue nenhuma tela, não se meta com as galinhas e não me vá mexer na horta, senão está tramado comigo. Um grande obrigado à nossa amiga Ana que nos tem dado dicas preciosas e até nos enviou comida de emergência, um biberão e ainda outras coisas, que nos permitiram salvar esta vidinha! 😉 Hoje, com cerca de três semanas, ele parece forte, anda (gatinha), trepa a tudo, já vai comendo papa sólida, devora o biberão e arranha toda a gente enquanto as suas necessidades não estão satisfeitas. Salta constantemente da caixa para andar a explorar ou à nossa procura. A origem do nome Badé, tem um significado especial para nós como família, pois a Gaia, quando ainda balbuciava, e não falava como fala hoje, sempre que via um gato, seja fisicamente ou numa ilustração, automaticamente dizia “Badé”. E pronto, este é o Badé! 😉

P.S. – Se alguém tiver uma caixa de transporte e/ou uma caixa de areia com peneira, que não use e que não se importe de nos ceder, o Badé agradece! 😉

Acordar e Saltar da Cama para a Rua!

O dia de hoje esteve maravilhoso, foi só acordar e saltar da cama para a rua, para irmos fazer coisas bonitas. Já temos mais germinações encaminhadas e todos os dias se preparam novos tabuleiros. Assim que possível, fomos até ao espaço que estamos a criar para animais e optámos por não pintar a capoeira, mas sim, aplicar-lhe um óleo pigmentado para exteriores, que ajudou a uniformizar a cor, ao mesmo tempo que estamos a embeber a madeira com esta solução, que a irá proteger ao longo do tempo. Todos participámos na aplicação desta primeira de mão e a nossa pequenota não queria parar de “pintar”. Amanhã vamos à segunda dose.

Tal como os nossos conceitos, esta capoeira ficará o mais off the grid possível. Da parte da tarde, comecei a trabalhar no sistema de captura de água da chuva que depois de alguns cortes e adaptações nas tubagens e ferragens de fixação, lá ficou pronta com o ângulo e curvatura indicado para este tipo de cobertura e com o desnível suficiente para dirigir a água para a tubagem de descarga. Depois do chão nivelado e uniformizado com dois tijolos largos, reutilizámos uma sobra de tricapa onde assentou o nosso depósito de água mais pequeno, que estava sem utilização, mas que nos acompanha há anos. Aqui ficarão armazenadas umas belas dezenas de litros de água da chuva que darão de beber às galinhas. Falta-nos agora criar, o sistema de filtragem e entrada de água no depósito, bem como a descarga de água excedente. Os paus para a vedação também já estão a postos, mas ainda estamos a analisar a melhor forma de vedar o espaço! 😉

 

Porque Deves a Ti Próprio, Seres a Tua Melhor Versão

Mesmo com frio e tempo nublado, há que aproveitar para trabalhar na rua sempre que não chove. Provavelmente para muitos, com a quantidade de horas de trabalho e material já aplicado na nossa capoeira, bastava agora adicionar umas dobradiças na porta, com um fecho improvisado e estava pronta a usar. Na nossa visão nunca nos devemos contentar com o que é medíocre, pois esse, é o primeiro passo para se falhar. Não precisas de ser “perfeito”, mas se procuras este estilo de vida, nunca te esqueças que é imperativo que sejas metódico, organizado e fazeres o necessário para seres a tua melhor versão. Além disso, deves tentar prever e visualizar diferentes problemas que podem surgir e atacar na sua resolução, logo de início, de acordo com o que tens, onde estás e o que sabes fazer.

Hoje criámos a porta definitiva em contraplacado reutilizado, com um aro exterior arredondado e sem quinas vivas para evitar a acumulação de humidade, aplicámos duas dobradiças novas e um sistema de fecho reutilizado. Adicionámos perfis personalizados de madeira tratada para proteger os pontos críticos e evitar infiltrações que são os inimigos número um dos conceitos de madeira e ainda construimos uma prancha (sobra de forra reutilizada em madeira tratada) para acesso das galinhas. Por fim adicionámos um poleiro interior onde poderão dormir elevadas do chão. Ao contrário do que se pensa, os poleiros deverão ter a forma de um paralelepípedo rectangular e não de um cilindro. As galinhas têm pés que assentam em suportes planos ao contrário de várias aves. Nunca te esqueças que é a atenção ao pormenor e a tua dedicação, que te fazem ter sucesso nos projectos que desenvolveres.

Agora falta-nos apenas criar o tabuleiro metálico removível, para facilitar a limpeza e proteger o chão de madeira. Vamos ainda aplicar silicone em alguns pontos e pintar o exterior de todo o conceito com tinta aquosa para madeira, para prolongarmos a sua durabilidade. Está quase! 😉

Gostaste das dicas? Subscreve agora! 😉

Reutilizar Material Tem os Seus Custos

Avançámos mais um pouco na construção da nossa capoeira móvel, mas reutilizar material, tem os seus custos pois o tempo despendido nesta actividade nunca é contabilizado como gasto. O facto de conseguires recolher materiais que já têm outros cortes e muitas vezes, como se tratam de sobras descartadas por erros de corte, obriga-te primeiro a acertares todas as peças, para depois conseguires ter uma base certa e perpendicular ou paralela, para as medidas das peças que pretendes criar, sairem o mais certas possível. Felizmente com tempo tempo, imaginação e algumas sobras de material tens a oportunidade de criar novos conceitos.

Por exemplo, hoje adicionámos dobradiças e pegas reutilizadas de outras construções antigas, na capoeira. Fixámos tampas laterais de sobras de contraplacado de 20mm, um fundo de aglomerado de 20mm na base do chão flutuante, isolámos certos pontos com um resto de silicone, no interior. Criámos ainda, a portada traseira de contraplacado tricapa que se abre totalmente por meio de dobradiças para limpeza e remoção do tabuleiro ao nível da cintura. Ainda vamos criar essa peça, que vai tornar a manutenção mais célere, sem posições desnecessárias e em esforço físico. Faltam ainda vários pormenores, como a adição de perfis em todo o exterior, as ferragens da porta, a escada de acesso, a trave interior onde poderão dormir elevadas da base interna, a lixagem a pintura definitiva para proteger o conceito e o referido tabuleiro de acrílico ou metálico conforme o que conseguirmos inventar.

Reutilizámos também uma estrutura metálica, uma base redonda de OSB e 4 tijolos burro, que permitem que o ar circular livremente por baixo do conceito, ao mesmo tempo que o adaptam a oscilações causadas por vento mais forte sem que se danifique a estrutura. Por outro lado, mantemos o conceito elevado do solo, longe de humidade, de possíveis predadores ou roedores e sem a necessidade de adicionar mais material (madeira). Não estando fixa, permite facilmente ser alterada a sua localização, de acordo com a necessidade ou condições climatéricas! Pode ainda ser transportada no interior de uma carrinha comercial.

Queres acompanhar mais de perto? Subscreve para receberes todas as novas publicações no teu mail! 😉

O Que Realmente Queres, Tu Consegues!

Um dia mais perto de concluir o nosso conceito móvel de capoeira. Hoje, já com porta hobbit e sistema de retenção, bem como, com um telheiro fantástico e bem comprido, para evitar que a chuva atinja a parede fontal e traseira de madeira. O telheiro traseiro é articulável e permitirá abrir o conceito para limpeza, manutenção e principalmente, retirar ovos! 😉 O que realmente se quer, consegue-se! 😉

Já subscreveste as nossas notícias para nos seguires mais de perto? Subscreve agora! 😉

Usa o que tens, no local onde estás e de acordo com o que sabes

Nos últimos meses, criámos de raiz, dois projectos de capoeira que não chegaram a avançar. Mesmo depois de simularmos e optimizarmos custos e material, não há situação nenhuma, que bata a reutilização e a gratuitidade de materiais. Foi-nos oferecida ontem, parte uma bancada de armazenamento de pão com alguns anos que tem estado esquecida e armazenada numa velha garagem. Automaticamente visualizei o produto final e o que conseguiria fazer daquela velha peça. No nosso pequeno armazenamento de restos de madeira, encontrámos os materiais que nos faltavam e assim de repente, estamos bem encaminhados, no processo de construção da nossa nova capoeira transportável. Vai ter capacidade para três ou quatro galinhas, que é o suficiente para as nossas necessidades. Este conceito. é completamente realizado com sobras de material, peças reutilizadas e até os parafusos são velhos e reutilizados. O nossa dica é, usa ou reutiliza o que tens, no local onde estás e de acordo com as tuas competências! 🙂

Ainda falta criarmos as restantes peças, adicionar janelas, respiradores, criar a abertura da porta e a porta em si, adicionar pés e telhados, proteger a madeira dos elementos, criar um sistema simples de limpeza e renovação das camas, e ainda, criar os sistema de captura de água da chuva e alimentação que serão acoplados na mesma. Até agora é este o progresso, que é mais demorado, devido a adaptações da madeira reutilizada de forma a ter utilidade neste projecto.

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉