Nunca baixar os braços

Há uma semana fomos recebidos com um calor intenso o que nos obrigou a refugiar na sombra e a procurar a praia ao final do dia. Felizmente passou rápido e os dias de primavera regressaram para o nosso bem e para o bem das nossas plantinhas. Infelizmente, os últimos meses têm sido complicados, pois um de nós está a lidar com alguns problemas de saúde que irão levar mais tempo que o previsto para serem resolvidos. Alguns destes problemas, surgiram devido a lesões musculares e esqueléticas do passado, que agora, ao fim de 20 anos tiveram os seus efeitos, mas também ao resultado do continuado consumo de carbo-hidratos em excesso ao longo dos últimos 4 anos como “Comfort food” em situações mais estressantes. Sim, viver com pouco dinheiro e criar uma criança ao mesmo tempo que se trabalha no duro e se parte a cabeça para desenvolver tudo o que é necessário, é muito prazeroso e reconfortante, mas por vezes, muito desafiante. E quando a cabeça não tem juízo…

Viver neste estilo de vida, sem subsídios ou um rendimento fixo de suporte, torna a evolução de um projecto como o nosso, num quebra cabeças, o que nos obriga não só, a sermos mais criativos na resolução de problemas, como nos faz repensar, onde e de que forma podemos aplicar o pouco que temos. Há cerca de 4 anos que andamos a planear e a encontrar soluções para um espaço de trabalho móvel, para o qual apenas agora, poderão ter sido reunidas as condições para avançar. Esta semana demos início a este novo projecto que vai concretizar-se, mesmo que demore mais tempo. É para ir com calma.

Felizmente e como olhamos para a vida com positividade, continuamos a percorrer o nosso caminho, a seguir com o nosso processo de cura e a diversificar as nossas actividades, com vista à nossa recuperação e evolução. Recusamo-nos a baixar os braços e embora com menos capacidade física para passarmos mais tempo na horta e no terreno, os últimos dias tiveram mesmo de ser aplicados na manutenção do espaço e no plantio de mais espécies. Limpámos também a zona de escoamento de águas cinza, removemos infestantes dos canteiros da zona de infiltração e além da matéria orgânica que temos vindo a aplicar neles, avançamos com a plantação de grão para ajudar na fixação de nitrogénio. No processo de manutenção do espaço, descobrimos que duas das nossas bananeiras rebentaram de novo e temos finalmente os milhos quase todos na terra. A horta/jardim está cada vez mais bonita e apetitosa! 😉

Mãos na massa

Estivemos bastante ocupados com manutenções e restauros, nos últimos dias. Hoje, com o Solinho de manhã a aquecer os ossos, toca a ir para a rua mondar, cortar mato e libertar espaços para receberem mais árvores e arbustos. Esta zona no limite do terreno e à volta do círculo de infiltração de águas cinza estava, já fora de controle com as mais variadas espécies, já do nosso tamanho! Ainda não tivemos a possibilidade de investir numa roçadora boa a bateria, pelo que o trabalho, foi mesmo todo feito manualmente e apenas com a ajuda da gadanha e do ancinho. Depois do corte, procedemos como sempre à largada em todos os locais que precisavam de cobertura de solo. Desta forma devolvemos rapidamente nutrientes, ao mesmo tempo que protegemos o solo do sobreaquecimento e perda de humidade. Aproveitámos ainda para adicionar ao nosso pomar uma Romãzeira e uma Ginjeira! A antiga bananeira foi transformada em alimento e água suplementar para as outras plantas, tendo sido cortada em bocados e colocada na base de uma das árvores plantadas. Ainda há muito para cortar e devolver ao solo de forma a acelerar o processo, mas por hoje já chega! 😉

Primeira Quinzena de Abril

Nestas duas semanas e com toda a água que tem ficado retida no solo, temos observado um desenvolvimento exponencial das árvores frutíferas e das culturas da horta. Algumas plântulas anteriormente germinadas de semente, estão agora praticamente prontas para serem transplantadas para local definitivo. Temos muita coisa para colocar na terra, algumas perenes e muitas anuais. Nesta altura do ano, já vamos tirando algum alimento do espaço embora essa não seja para já, a prioridade máxima visto que apenas agora se está a iniciar a época mais produtiva. Existem outras necessidades inerentes à vida moderna, e sempre que possível vamo-nos dedicamos a todas as outras actividades complementares inerentes à manutenção do projecto e a actividades extra, que possam ser benéficas para a evolução do mesmo. Os petiscos estão na mesa, a hortelã já macera na agua ardente, tudo cresce na horta, a bichadada celebra e nós celebramos também a nossa chegada a este espaço, há 4 anos! Celembremos então! Até já! 😉

Há 4 anos, preparávamos o regresso a casa.

Estamos na recta final para a celebração dos 4 anos da chegada a este pedaço de terra. Depois do inicio do projecto em 2012, em Mafra, e algumas pedras no caminho, chegámos finalmente a este local em 2015. Amanhã celebramos os 4 anos do nosso regresso a casa, depois de nos termos visto privados da sua utilização, durante cerca de seis meses, no processo de descoberta de um novo destino. Durante este tempo, aqui vivemos, crescemos, nasceu a nossa filha e iniciámos uma nova fase da nossa vida, ao mesmo tempo fazemos o que podemos para regenerar este espaço e trazermos esperança a quem se inspira no nosso trabalho.

Esta semana estivemos bastante ocupados com actividades paralelas nas redes sociais, em actividades colaborativas e em actividades de voluntariado relacionadas com projectos em outras áreas. Cá por casa, a chuva regressou finalmente e temos de novo a dorna no topo, com mais de 1000l de água capturada. Quando o tempo não permite estar na rua a trabalhar no terreno, desenvolvemos actividades de restauro e manutenção de equipamentos, sejam electrónicos ou mobiliário que utilizamos em benefício do projecto ou que oferecemos sob a forma de serviço a apoiantes do projecto. A nossa menina começa também a dar os primeiros passos nas suas tarefas de limpeza e manutenção para perceber de pequenina o valor das coisas e o valor da reparação, ao invés do deitar fora e comprar novo! Obrigado pelas ofertas desta semana por parte de amigos, está a ser tudo posto a bom uso! 😉

De Consumidores para Produtores

Lentamente vamos caminhando no sentido de passarmos maioritariamente de consumidores, para produtores. Aos poucos vamos aprendendo ou melhorando a nossa capacidade de criar de raiz, pelo menos parte das nossas necessidades alimentares e também alguns extras. Esta semana, investimos no sentido de continuar a semear e a germinar mais material para a horta, a colher e a secar ervas para os produtos de cuidado da pele e para os nossos chás e ainda aproveitámos para criar o nosso exclusivo, e apenas para uso interno, Xarope de Sabugueiro, Licor de Hortelã Pimenta e Vinagre de Sidra. Tudo com os nossos próprios produtos, ou seja as flores do nosso sabugueiro, as nossas folhas de hortelã e as nossas maçãs. Esta semana as nossas companheiras de viagem, atingiram finalmente a maturidade e já começaram a postura, pelo que agora temos disponíveis diariamente 2 a 3 ovos, que suprimem toda a nossa necessidade. Em breve chegará a fruta e mais vegetais fresquinhos da horta para nos alimentarem nesta Primavera/Verão.

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉


Quem não tem cão, caça com gato!

Infelizmente ainda não tivemos a oportunidade de investir numa roçadora, e bem que precisamos de uma, para podermos controlar a altura das ervas, as canas e limpar os caminhos. Entretanto quem não tem cão, caça com gato, logo uma mistura de pouca gadanha com muita monda manual, não cria o resultado perfeito, mas cumpre a função. Essa e a de dar cabo das costas! Hoje libertámos a zona da passagem e saída das águas cinza, bem como o espaço envolvente. Preenchemos com matéria cortada, zonas de solo expostas e controlámos a altura das ervas no espaço que está destinado, ao grande projeto sobre rodas, que iremos iniciar ainda este ano. Aos poucos e no limite das nossas possibilidades, vamos dando passos importantes! 😉

A celebrar o equinócio e a chegada da primavera! ;)

Aproveitando os dias de Sol e as temperaturas agradáveis, esta semana investimos na produção de Kombucha e Xarope de Sabugueiro para o nosso consumo. Apostámos também na germinação de mais sementes e preparámos em definitivo mais quatro canteiros com composto e palha encharcada, pois este ano queremos ter a horta a produzir ainda mais que nos anos anteriores. Ao mesmo tempo que andamos a trabalhar no espaço, as galinhas andam felizes no seu spot, a fazer os seus banhos e Sol e a catarem-se. A nossa menina quando não está a ajudar directamente, anda pelo terreno a brincar flores, terra e água ao mesmo tempo que vai colhendo calêndulas para secar. O solo, nós e o espaço, estamos todos em processo de cura, a largar o peso do inverno, agora com tudo verde e bonito para nos nutrirmos, e hoje à noite, para celebrarmos o equinócio e a chegada da primavera! 😉

Medicinais, Probióticos e Novo Canteiro

Esta semana ocupámos o nosso tempo com a recolha de plantas e flores medicinais para iniciarem o processo de secagem. Estas serão utilizadas tanto na nossa farmácia natural como algumas serão ainda incorporadas em produtos de cuidado da pele, como é o caso dos sabonetes e dos bálsamos. Esta semana renovámos também, os nossos preparados de Kombucha , Aloé Vera, e Couve Roxa fermentada com Gengibre, criando novos preparados probióticos, que não só nos alimentam, como auxiliam em diferentes funções corporais.

Criámos ainda alguns produtos que nos foram requisitados por apoiantes do projecto e continuámos com os cuidados de manter e germinar novas espécies a introduzir na nossa horta. Hoje foi o dia de atacarmos mais um pouco de espaço, criando mais um canteiro alimentar com o método “cama não cavada”. Foram cortadas as plantas expondo o solo, que foi prontamente coberto com cartão grosso ensopado em água, seguido das ervas que tinham sido retiradas, para criar volume e adicionar nutrientes que se irão degradar. Por fim, dois carrinhos de mão do nosso composto bem curtido de “humanure” e camadas generosas de palha ensopada em água! Muito trabalhinho, com a participação dos três elementos, mas ainda temos mais dois para criar e uns cinco ou seis para renovar! Aos poucos e ao nosso ritmo a horta vai-se compondo! 😉