Recusar, Reutilizar e Reparar.

Vivemos numa sociedade de consumismo e desperdício abismal, onde somos nós que cavamos a nossa sepultura diariamente. Se queremos mudança, precisamos de mudar os nossos hábitos, a nossa vida e a nossa casa. Continuo a observar diariamente quem deita equipamentos electrónicos nos contentores de lixo orgânico ou perto deles. Esta semana encontrei um monitor no lixo e trouxe-o comigo, pois ainda tive a esperança de o conseguir colocar em funcionamento. O meu instinto estava certo. Depois uma limpeza profunda, restauro estético e testagem do circuito de alimentação, confirmei a minha desconfiança.

Quem colocou o aparelho no lixo, não o fez porque deixou de funcionar, mas sim porque não lhe serve mais e como não serve mais, LIXO!!! Neste caso, podia ter doado a um projecto como o nosso, podia ainda ter trocado, vendido e em última análise entregar num centro de recolha e reciclagem. É este o exemplo que se quer deixar às próximas gerações, quando energia e materiais são descartados só porque sim? A pegada carbónica de qualquer aparelho é mais que justificação para os tentar manter vivos. Este é mais um que salvei do aterro, que está impecável a funcionar na perfeição. É um aparelho de 2004 com características muito interessantes incluindo um sistema de desmagnetização integrado.

Também em relação a mobiliário de madeira, com alguma dedicação e carinho é possível reparar peças para um número quase infinito de segundas vidas. O móvel que estamos a terminar de reparar estava também ele ao lado de outro contentor de lixo orgánico, todo ás peças e com várias mazelas e sistemas quebrados. Tratámos de recolher tudo, desmontar, lixar, colar e remontar. Falta apenas aplicar o óleo de linhaça aquecido com cera de abelha para lhe dar aquele toque final de peça acabada sem necessidade de utilizar verniz.

Esta é mais uma das formas de activismo ecológico. Ecologia, não é andar a comprar carros eléctricos ou aparelhos modernos que nos andam a vender como “ecológicos” ou “mais eficientes”. Acorda!

O serralheiro, o canalizador, o designer, o gajo dos computadores, etc…

O carpinteiro, o serralheiro, o canalizador, o agricultor, o fotógrafo, o designer, o arquitecto, o electricista, o gajo dos computadores, etc…, todos eles somos nós, quando decidimos viver desta forma. As competências que ainda não dominamos vão sendo adquiridas gradualmente com o objectivo de cada vez mais estarmos auto suficientes no que diz respeito a vários serviços que possamos necessitar. Aqui, quando é preciso resolver, criar ou construir, metemos as mãos na massa e se não sabemos, vamos aprender.

As últimas duas semanas têm sido sempre a abrir e desde então resolvemos as pequenas infiltrações que detectámos depois de semanas e semanas de chuva. Por falar em água, esta semana, instalámos finalmente água quente na cozinha. Este foi um daqueles projectos que por não ser prioritário, era constantemente adiado. Temos agora completo o sistema de água, conectado à bailarina a lenha. No inverno vai dar imenso jeito, pois será possível depois dos banhos, evitar qualquer desperdício e aproveitar completamente a restante água quente para alimentar a cozinha. Água quente essa que é produzida sempre que possível utilizando objectos de madeira e restos, que estão em fim de vida por já não serem reutilizáveis. Assim, não seguem para um caixote do lixo e inevitavelmente para um aterro. São desfeitos e utilizados como lenha. A cinza resultante da queima é utilizada ainda para produzir lixívia, ser utilizada nas sanitas secas ou incorporar os compostores.

Tratámos ainda de dar apoio a um projecto parceiro actualizando o seu site, conteúdos e material gráfico de suporte aos artigos novos que estes amigos têm disponiveis.

Ainda no departamento gráfico, temos finalmente prontas as nossas próprias t-shirts, desenhadas e planeadas por nós e impressas pelo nosso novo parceiro que trabalha com técnicas manuais de impressão em serigrafia, utilizando tintas amigas do ambiente e tudo isto em peças de roupa em algodão orgânico certificado. A nossa parceria passou também por ajudá-los a desenvolver a sua exposição e para isso filmámos e editámos o seu primeiro video de apresentação!

As T-shirts encontram-se já disponíveis para encomenda (impressão e entrega a partir do meio de Janeiro) em: https://bit.ly/341SPfO

Chuva, chuva e mais chuva

Esta noite choveu muito e a chuva vinha puxada a vento, o que resultou em algumas infiltrações. A chuva tem sido muita nas últimas semanas, pelo que os conceitos não têm conseguido secar em alguns pontos críticos , mesmo sendo aquecidos a lenha. Há três casos que têm de ir sendo vigiados. Os rebordos de silicone da janela pequena da oficina móvel, a parede virada a sul da wc/gerador e a ligação da porta do yurt com o chão. No primeiro caso reforçámos ainda hoje o silicone que veda a união da chapa sandwich com o aro da janela. No WC/Gerador, depois deste verão quente, a madeira da parede virada a Sul, seca e contrai deixando mini fissuras que permitem que água puxada a vento, migre para o interior humedecendo a tela de protecção e algumas das madeiras da estrutura da parede. Por ainda não ter sido possível aplicar o protector de madeira porque ainda não parou de chover e sabendo desta limitação, nunca isolámos a parede e sempre que acontece isto, basta abrir o conceito e deixar secar naturalmente. Agora ao final do dia acendemos a bailarina para tomar um banho e o calor gerado pelo cepo, secou completamente essas pequenas infiltrações. Por fim, a porta do yurt, tem sido algo que nos têm preocupado pois a água escorre pelo exterior, pelas laterais entre a tela e a porta, e fica a moer junto ao chão, que vai humedecendo o OSB e lentamente vai migrando para o interior. Hoje foi dia de resolvermos este problema, começando por desmontar os resguardos internos, limpando e removendo a humidade em excesso. Depois de tudo limpo e menos húmido, foi altura de passar ao exterior onde fabricámos três peças personalizadas e de raiz, utilizando pedaços de metal reutilizado, para aplicarmos nas laterais e na base da porta. Vamos testar nos próximos dias a ver se é desta que fica tudo resolvido. Hoje foi daqueles dias que não se deseja a ninguém e só quem mete mãos na massa é que dá valor. Foi das 9h00 ás 17h00 sem parar, almocei eram 17h30 mas tinha de ser, pois esta noite vem mais chuva. Parece que a solução ficou muito boa, resta estarmos atentos nos próximos tempos. O final do dia por aqui foi magnifico com um céu maravilhoso. Aqui ficam imagens que refletem o trabalho deste dia.

Espaços com os quais sonhávamos, mas onde agora sonhamos.

É com um brilho renovado que quase em final de ano, olhamos em contemplação para a vida que desenhámos, planeámos e construímos em torno da auto-suficiência. Referimo-nos nesta publicação, especialmente aos espaços com os quais sonhávamos, mas onde agora sonhamos. Ao fim de 4 anos, o abrigo hobbit será finalmente ocupado com a função para a qual foi projectado, ou seja, ser o quarto/estúdio da nossa menina. Além de todo espaço exterior que tem por sua conta, neste refúgio ela pode receber, descansar, ler, desenhar, brincar, dançar, ou seja tem agora um espaço exclusivo, destinado ao desenvolvimento da sua criatividade e à sua independência. Vamos ainda dormir na mesma divisão durante alguns anos, mas a transição está iniciada. Até ao final deste ano o projecto ainda vai passar por algumas mudanças e adaptações, com uma novidade que revelaremos a seu tempo! O Sol sempre volta a brilhar, mas como não houve Verão de São Martinho este ano, esperamos que o tempo dê tréguas durante pelo menos uma ou duas semanas, para secar tudo e para podermos tratar as madeiras dos conceitos em breve e antes que chegue o inverno a sério! Vamos ver se temos sorte. Entretanto vamos aproveitando para ler sempre que possível e sobretudo para projectarmos os próximos passos desta linda aventura! 😉

Produtos Ecológicos para um Natal Sustentável

Este mês, a maior parte do tempo de ocupação da oficina acabou mesmo por ser dedicado à preparação, finalização e expedição dos nossos maravilhosos produtos ecológicos. Estes são produtos que disponibilizamos em determinadas épocas do ano e que permitem, a quem acredita no nosso trabalho, ter a oportunidade de levar consigo um pouco do amor e carinho que colocamos em tudo o que fazemos. Este ano adicionámos aos fantásticos sabonetes, bálsamos e velas de cera de abelha, os chás agroecológicos, o elixir e em breve as t-shirts Permabio, impressas por amigos do projecto, com a técnica de serigrafia manual, tintas eco e solúveis em água, num fantástico tecido de algodão orgânico certificado, para que todos juntos, possamos contribuir para um mundo melhor e uma época natalícia sustentável.

Se quiseres saber mais sobre os nossos produtos e se pretendes investir no nosso projeto, segue a ligação: https://bit.ly/37yKaEv

Oficina de Trabalho – Reparações e Restauros

Educação Ambiental e Ecologia, não é apenas tratar de árvores, plantas e solo, produzir o seu próprio alimento, gerir os seus resíduos e construir a sua própria casa, mas também uma visão mais alargada e completa do consumo e descarte dos objectos que utilizamos no dia a dia e de como a tua acção, conhecimentos e skills podem melhorar essa experiência e como podes travar o consumo, dando uma 2ª, 3ª ou 4ª vida a muitos objectos. Falo de uma verdadeira reutilização e combate à obsolescência programada que nos é imposta, antes de irem definitivamente parar a um sótão, a um aterro ou algures por aí, como muitos de nós, infelizmente podemos constatar . Para este tipo de trabalho, a oficina de trabalho móvel, tem-se revelado uma grande mais valia para o projecto, especialmente este Outono chuvoso, pois além do armazenamento e organização que permite, está dividida em várias áreas de trabalho. Tornou-se essencial para o processo de fabrico dos produtos naturais que fazemos para nós e para os nossos apoiantes, mas dentro dela contamos também com zonas de restauro, manutenção e reparações electrónicas. Há ainda espaço dedicado a testes e produção fotográfica, video, desenho 3D e conteúdos digitais, os quais utilizamos no nosso projecto e muitas vezes como moeda de troca ou prestação de serviços a projectos parceiros. Este mês além de algumas recuperações retro, ajuda a portáteis e telemóveis de amigos ou familiares e de termos salvo alguns objectos do aterro, tratámos de melhorar as nossas competências a nível de dessoldagem e aproveitamento componentes, bem como nos desafiámos a calibrar um monitor profissional de forma a obtermos a melhor qualidade possível de imagem. Se têm material que já não precisam, que ainda está funcional, que pode até ser antigo mas funciona, não mandem fora ou para a reciclagem. Mostrem-nos o que têm para doar, pois certamente podemos ajudar a dar-lhes uma segunda vida! 😉

Mantendo o Projecto em Funcionamento

Além de tudo o há para fazer num projecto como o nosso, se queremos que funcione, há sempre muito trabalho relacionado com limpeza, arrumação, organização e manutenção. Este mês foi exemplo disso. Arrumações no telheiro exterior, no telheiro da lenha e na oficina, Manutenção e limpeza de ferramentas. Limpeza e reposicionamento do painel solar. Corte de árvores que colocavam em risco alguns conceitos devido ao vento forte. Corte de plantas, ramos e matéria vegetal para triturar e fazer cobertura de solo e muitas outras actividades. Foi necessário também construir algumas peças em madeira, como por exemplo uma plataforma móvel com rodas para artigos ou caixas mais pesadas que sejam necessárias estarem disponíveis para mover na oficina devido ao espaço limitado. Construímos ainda uma reprodução de uma peça de madeira original da nossa cama, que se partiu recentemente, evitando termos de adquirir uma nova peça de mobiliário. Todas as sobras são sempre utilizadas para alimentar os sistemas a lenha não produzindo qualquer resíduo. Neste último caso depois do trabalho executado tomámos ao final do dia, um belo banho alimentado exclusivamente por essas sobras! 😉