Quase no Final de Fevereiro

Os dias parecem intermináveis, e andamos exaustos. Com menor presença online, começamos lentamente a preparar o espaço para acolher mais produtos! Na última semana conseguimos finalmente ter um dia para dar um jeito na horta, nos canteiros e nos vasos, o que nos custou umas lesões que se prolongaram pelos restantes dias, pois o trabalho teve de ser feito sem roçadora, rapidamente e à mão. Ao mesmo tempo, noites mal dormidas, crianças a chorar a pedir atenção constantemente, constipações, fraldas, etc.., ao qual acresce o trabalho extra de tratar diariamente de todas as coisas inerentes ao funcionamento de um espaço onde se vive de forma diferente com uma familia de dois adultos e duas crianças pequenas. Mesmo assim, estamos a avançar com alguns trabalhos de expressão plástica com a nossa menina, como forma de celebração da entrada nesta época de fertilidade. Para isso, estamos a fazer uma adaptação em cartão e jornal de uma máscara de “carnaval” pré-histórica e tradicional de Portugal, com cornos e traços animalescos! Ainda não está terminada, mas para lá caminha! 😉

Como sempre mantenho em paralelo todas as actividades relacionadas com o restauro e recuperação de computadores e outros aparelhos, pelo que sempre que tenho dois minutos dou um salto até à oficina.

A primavera está finalmente à espreita! Lá fora está tudo bonito e florido e já começam a estar prontas as coisinhas boas que plantámos na horta este inverno. Os fins de tarde já se prolongam e só queremos que este frio se vá embora , pois estamos ansiosos para começar os nossos banhos no chuveiro exterior e andar de chinelos e com as mãos na massa na horta. Este ano acho que vamos mesmo precisar de ajuda! Março se não for chuvoso pode ser um mês crucial para darmos um avanço grande! Até já que ainda temos muito que fazer até lá! 😉

Muito trabalhinho é o que é! 🙂 Vejam como foi parte do último mês.

Update dos últimos 30 dias

É verdade! Passou mais de um mês, desde o último post aqui no blog. Estes últimos 30 dias foram uma montanha russa de emoções e de muita coisa a acontecer ao mesmo tempo. Desde o cuidar e estabelecer algum alimento de inverno na horta, lidar com tempestades fortes e infiltrações, ao preparar todos os produtos para as entregas natalícias ao mesmo tempo que aguardamos a chegada de um novo filho e se criam prendas de Natal exclusivas para a filha mais velha. Durante os últimos dias do ano, o tempo melhorou e consegui finalmente dedicar algum tempo à trituração de podas e proteção dos canteiros de produção alimentar.

Entretanto parámos a maior parte das actividades no espaço, aproveitando para fazer alguns restauros e reparações electrónicas, enquanto o nosso menino não anunciava a sua chegada. Passou o Natal e nada, passou o Ano Novo… nada… Entretanto, no dia de Reis, o nosso bebé decidiu iniciar o processo de chegada a esta família. Ficámos a conhecê-lo no dia 7 de Janeiro, no conforto do nosso lar, sob a influência de uma lua quase cheia. Um menino saudável de 4,200Kg trazido ao mundo por uma mãe valente, que respeitou o seu corpo, apoiada por uma filha e um pai presentes que ajudaram em todo o processo. Tudo isto, sob o olhar atento da nossa amiga enfermeira, que nos acompanhou. Assim passámos a ser quatro elementos a viver de forma natural, resgatando o poder sagrado do parto e da mulher, como um acto familiar e não um como acto médico. Agora avançamos com mais calma, pois a logística mudou e estamos no período de adaptação. Agradecemos por todos os contactos e parabenizações. Estamos cansados, mas bem e ficamos a aguardar as vossas solicitações de ajuda, colaboração ou necessidade de prestação de serviços para este ano. Até já! 😉 Paulo, Maria, Gaia e Noa

Recusar, Reutilizar e Reparar.

Vivemos numa sociedade de consumismo e desperdício abismal, onde somos nós que cavamos a nossa sepultura diariamente. Se queremos mudança, precisamos de mudar os nossos hábitos, a nossa vida e a nossa casa. Continuo a observar diariamente quem deita equipamentos electrónicos nos contentores de lixo orgânico ou perto deles. Esta semana encontrei um monitor no lixo e trouxe-o comigo, pois ainda tive a esperança de o conseguir colocar em funcionamento. O meu instinto estava certo. Depois uma limpeza profunda, restauro estético e testagem do circuito de alimentação, confirmei a minha desconfiança.

Quem colocou o aparelho no lixo, não o fez porque deixou de funcionar, mas sim porque não lhe serve mais e como não serve mais, LIXO!!! Neste caso, podia ter doado a um projecto como o nosso, podia ainda ter trocado, vendido e em última análise entregar num centro de recolha e reciclagem. É este o exemplo que se quer deixar às próximas gerações, quando energia e materiais são descartados só porque sim? A pegada carbónica de qualquer aparelho é mais que justificação para os tentar manter vivos. Este é mais um que salvei do aterro, que está impecável a funcionar na perfeição. É um aparelho de 2004 com características muito interessantes incluindo um sistema de desmagnetização integrado.

Também em relação a mobiliário de madeira, com alguma dedicação e carinho é possível reparar peças para um número quase infinito de segundas vidas. O móvel que estamos a terminar de reparar estava também ele ao lado de outro contentor de lixo orgánico, todo ás peças e com várias mazelas e sistemas quebrados. Tratámos de recolher tudo, desmontar, lixar, colar e remontar. Falta apenas aplicar o óleo de linhaça aquecido com cera de abelha para lhe dar aquele toque final de peça acabada sem necessidade de utilizar verniz.

Esta é mais uma das formas de activismo ecológico. Ecologia, não é andar a comprar carros eléctricos ou aparelhos modernos que nos andam a vender como “ecológicos” ou “mais eficientes”. Acorda!

Chuva, chuva e mais chuva

Esta noite choveu muito e a chuva vinha puxada a vento, o que resultou em algumas infiltrações. A chuva tem sido muita nas últimas semanas, pelo que os conceitos não têm conseguido secar em alguns pontos críticos , mesmo sendo aquecidos a lenha. Há três casos que têm de ir sendo vigiados. Os rebordos de silicone da janela pequena da oficina móvel, a parede virada a sul da wc/gerador e a ligação da porta do yurt com o chão. No primeiro caso reforçámos ainda hoje o silicone que veda a união da chapa sandwich com o aro da janela. No WC/Gerador, depois deste verão quente, a madeira da parede virada a Sul, seca e contrai deixando mini fissuras que permitem que água puxada a vento, migre para o interior humedecendo a tela de protecção e algumas das madeiras da estrutura da parede. Por ainda não ter sido possível aplicar o protector de madeira porque ainda não parou de chover e sabendo desta limitação, nunca isolámos a parede e sempre que acontece isto, basta abrir o conceito e deixar secar naturalmente. Agora ao final do dia acendemos a bailarina para tomar um banho e o calor gerado pelo cepo, secou completamente essas pequenas infiltrações. Por fim, a porta do yurt, tem sido algo que nos têm preocupado pois a água escorre pelo exterior, pelas laterais entre a tela e a porta, e fica a moer junto ao chão, que vai humedecendo o OSB e lentamente vai migrando para o interior. Hoje foi dia de resolvermos este problema, começando por desmontar os resguardos internos, limpando e removendo a humidade em excesso. Depois de tudo limpo e menos húmido, foi altura de passar ao exterior onde fabricámos três peças personalizadas e de raiz, utilizando pedaços de metal reutilizado, para aplicarmos nas laterais e na base da porta. Vamos testar nos próximos dias a ver se é desta que fica tudo resolvido. Hoje foi daqueles dias que não se deseja a ninguém e só quem mete mãos na massa é que dá valor. Foi das 9h00 ás 17h00 sem parar, almocei eram 17h30 mas tinha de ser, pois esta noite vem mais chuva. Parece que a solução ficou muito boa, resta estarmos atentos nos próximos tempos. O final do dia por aqui foi magnifico com um céu maravilhoso. Aqui ficam imagens que refletem o trabalho deste dia.