Como forma responsável de gestão dos resíduos no nosso espaço e incorporação dos mesmos no ciclo de produção alimentar, utilizamos compostores para transformar restos vegetais, aparas de madeira, serradura, cinza e resíduos humanos em fertilizante natural que será aplicado no trabalho de reparação e recuperação da fertilidade do nosso solo.
No final do ciclo de degradação dos resíduos e transformação pela micro biologia do solo juntamente com minhocas e fungos, obteremos um composto (húmus) rico em nutrientes, com uma enorme capacidade de retenção de água e sais minerais que estão disponíveis para as plantas que forem fertilizar.
Desta forma, fechamos o ciclo e os nutrientes que produzimos são geridos e processados in loco. Não utilizamos água no processo nem contaminamos preciosa água potável. Desta forma transformamos problemas em oportunidades e aproveitamos recursos que nos sistemas convencionais são desperdiçados e mal utilizados, criando focos de contaminação e poluição.
Já vamos no quarto compostor e planeamos instalar muitos mais, junto de árvores que pretendamos desenvolver. É incrivel ver o desenvolvimento de árvores próximas aos compostores, desde a rapidez de crescimento à quantidade de fruta! 😉

1º Compostor (Evolução de Abril de 2015 a Maio de 2016) (processo completo)

2º compostor (processo completo)

3º Compostor (em descanso)

4º Compostor (O que está a ser usado)

Deixar uma resposta