Próximas Gerações e Aprendizagens Significativas

Depois do episódio de Sábado, somos ainda mais gratos pelas nossas opções, pelo que somos e pelo que temos crescido como família. Em conjunto, já organizámos parte das sementes recolhidas este ano que vão agora ser congeladas, como é o caso do milho. Estamos também a preparar sementes que congelámos o ano passado para poderem ser semeadas na próxima época. É um dos truques que utilizamos para evitar o gorgulho do milho, que no primeiro ano aqui, nos trocou as voltas. Há que garantir as próxima gerações de plantas e novas sementes! Hoje separámos sementes de couve, tomate, rabanete e milho.

O que há a aprender, é sempre feito ao nosso ritmo, sem pressões exteriores. Isto é válido tanto para nós, como para a nossa menina, que do seu jeito e no seu tempo, vai fazendo aprendizagens significativas integradas nas actividades do nosso dia-a-dia, explorando em brincadeira o seu alimento, as plantas, os seus ciclos e a forma como se reproduzem, bem como os nomes, as palavras, as letras e os números que fazem naturalmente parte dessa exploração. Tudo isto, sem necessidade de currículos, metas, expectativas, avaliações ou com actividades “planeadas”. Foi assim que aprendeu a andar e a falar, e é assim que vai aprender, o que sentir necessidade de levar consigo! 😉

Para celebrar a vida, hoje fomos até à beira mar, fazer uma caminhada em família! 😉

Gostaste da dica? Não percas nada do que temos para te ensinar! Subscreve já! 😉

Colheitas, Transformação e Preservação de Alimentos

Na horta, continuamos a aguardar a maturação das abóboras e do milho tradicional multi-colorido. Recentemente colhemos finalmente os marmelos, retirámos caroços e cascas, preparámos a polpa para ser congelada e transformámos o “desperdício” numa divinal geleia de marmelo. Não dá para descrever o sabor, só mesmo provando! 😉

Regresso do Sistema Fotovoltaico ao Seu Local de Origem

Continuamos com as tarefas de manutenção do espaço, modificando, arrumando e limpando. Hoje colhemos mais massarocas que assámos e e comemos antes que a passarada desse cabo delas. Colhemos mais tomate e ervas aromáticas, bastante erva príncipe para secar, bem como Louro para defumar e cozinhar. Em breve os nossos primeiros marmelos vão para o tacho para fazer uma bela marmelada.

Hoje já com os pés mais assentes e depois das chuvas dos últimos dias, desmontámos do tejadilho da carrinha e instalámos de novo, o sistema fotovoltaico móvel no seu local de origem ou seja, o WC atrelado, onde fizemos algumas alterações na instalação para facilitar futuras migrações do sistema energético! 😉

Horta, Evolução e Recolha de Sementes Adaptadas

Enquanto trabalhamos em várias actividade, investimos e vemos a nossa modesta hortinha a evoluir de dia para dia! O milho está a desenvolver-se bem e a polinizar-se, o feijão está em flor, os plantados inicialmente já têm vagem. A hortelã, a alfazema, a cidreira, o tomilho, os oregãos e a segurelha estão em flor,  as abóboras tâm as folhas a crescerem bem e esperamos ansiosamente o surgimento das primeiras flores. Temos debulhado algum grão e feijão todos os dias, os tomates estão a amadurecer e são variados, as couves já foram apanhadas e estão a aguardar a transformação em sauerkraut, Depois dos Figos, das Ameixas bravias, das Pêras iniciais, recolhemos neste momento diariamente Ameixas (Rainhas Claúdias). As pêras rocha estão quase no ponto para recolhermos, partilharmos e conservarmos. Os girassóis já espreitam, as cebolas já estão a largar as sementes que estamos a recolher e muito mais coisas que aos poucos vamos retirando do terreno, armazenando estas primeiras sementes para o nosso banco que iremos multiplicar no próximo ano certamente. Este início de horta foi demorado pois além das várias actividades em curso, estamos focados em iniciar de raiz todo o ciclo das nossas novas plantas, germinando tudo de semente, para termos um sistema mais forte e adaptado no futuro.

Desenvolvimento da Espiral das Três Irmãs

Temos estado mais atentos ao desenvolvimento do milho fora e dentro do sistema de espiral em consociação com feijão e abóbora, para conseguirmos perceber as grades vantagens. Independentemente dos resultados finais, neste momento percebemos que em cinco semanas passámos de plântulas pequeninas a plantas maduras, quase prontas a reproduzir. O feijão neste sistema, cresceu muito mais do que aquele que plantámos afastado do milho e a abóbora começa agora a desenvolver-se e a cobrir o solo.  Temos várias sementes de milhos diferentes, plantadas em diferentes semanas e estamos desejosos de ter na mão as nossas primeiras massarocas adaptadas para podermos plantar ainda mais quantidade no próximo ano. Os que foram plantados há mais tempo já se estão a reproduzir como se vê nas imagens! 😉

Antes e Depois:

Feijão a trepar pelo milho / Inflorescência Feminina(espiga) / Inflorescência Masculina (Pendão)

Mais Colheitas e Plantações Experimentais

Nos últimos dias temos vindo a colher brássicas que iremos fermentar e utilizar em crú na nossa dieta. Colhemos também várias plantas de grão para obtermos as nossas sementes já adaptadas e com memória genética, a utilizar nas próximo ciclo reprodutivo. O debulhar do grão foi feito com a ajuda da nossa menina que adorou tirar os grãos das cápsulas! Ao mesmo tempo, concluímos o segundo canteiro em espiral com milho abóbora e feijão, distribuíndo todas as plântulas de Abóbora por outros canteiros e no fardo de palha humedecido e fertilizado com composto. Sabemos que as abóboras provavelmente já vão tarde, mas como temos um microclima especial, pode ser que consigamos ainda alguma coisa até ao Outono!  Por fim, cobrimos tudo com bastante palha para manter a humidade no solo e nutrir o mesmo com carbono! 😉

Novo Canteiro Três Irmãs em Espiral

Na continuação do primeiro canteiro, a Maria sobre o olhar atento da Gaia, esteve a preparar as covas para plantar um novo canteiro em espiral com milho e o feijão! Já temos a abóbora pronta para incorporar os mesmos e finalizar a consociação que desejamos em ambos os canteiros. Ao final do dia e depois da rega, aproveitei para remover ervas e cobrir os espaços entre canteiros com palha. A cada dia que passa a horta vai-se compondo! 😉

Camadas, Consociações e Proteção inter-Espécie e Fecho de Ciclos

Concluímos a nossa instalação experimental em forma de espiral, utilizando Milho, Feijão e Abóbora (três irmãs) com total exposição solar de Sul e protegidos exteriormente por uma linha de girassol e um limoeiro a Norte! Em breve iremos introduzir mais conceitos experimentais relacionados com a produção de alimento em altura e em fardos de palha! 😉

Todas as nossas espécies, são plantadas no mais rico substracto obtido da compostagem dos nossos próprios dejectos! Aqui está uma lição muito importante que todos deviam aprender relativamente ao fecho completo do ciclo da alimentação! Deixemo-nos de hipocrisias! Há solução biológica e natural para o problema do saneamento básico e não há qualquer justificação para no futuro utilizar-se  água potável no transporte de dejectos. A solução é exactamente a compostagem e posterior utilização desta matéria no aumento da fertilidade do solo para gerar o nosso alimento! No seguintes esquemas podem ver os dois sistemas. O convencional poluente e o ciclo fechado. Isto sim, é verdadeira ecologia e sustentabilidade! 😉

Rodagem, Descanso e Espiral Três Irmãs

Durante a manhã de hoje fomos dar uma volta com a carrinha para libertar o cheiro a tinta e para dar-lhe uns quilómetros de rodagem, pois tem estado aqui parada nas últimas semanas e ela gosta é de movimento! 😉 Depois do almoço o calor aperta e nada como o merecido descanso a sombra do abrigo hobbit, depois destas semanas intensas a recuperar o chão da carrinha.

Ao fim do dia, regressamos aos trabalhos na horta e mais uma vez estamos a investir na criatividade e experimentação dos conceitos de produção alimentar. Vamos criar o mais condensado possível, uma espiral utilizando a técnica de consociação com o nome três irmãs, ou seja, milho, feijão e abóbora. Mais informação em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Três_Irmãs_(agricultura)

Milho Tradicional – Ouro Vivo

Hoje o nosso amigo Melo presenteou-nos com ouro vivo! Nada mais, nada menos que massarocas de milho da sua terra Natal, que tem vindo a ser recuperado como forma de manter a semente viva. Vamos tratar de germiná-lo para ir para a terra o quanto antes e podermos contribuir à nossa maneira para a manutenção destas sementes tradicionais! É uma parte da nossa história que é preservada juntamente com nutrientes adaptados ao nosso organismos e sem modificações genéticas! 😉 Obrigado  amigo, por te teres lembrado de nós! 😉

IMG_1091

Dia Fantástico para Trabalhar lá Fora

Fomos presenteados com mais um fantástico dia primavera, em que iniciámos o processo de germinação de três variedades de feijão, duas variedades de milho e ainda outras sementes especiais. Vamos tentar que o nosso milho azul dos índios norte-americanos germine, esperando que a semente não tenha perdido a sua viabilidade. As plântulas de grão de bico, parecem estar a desenvolver-se bem e espalhámos pelo terreno, sementes de camomila, calêndula e mostarda, ao mesmo tempo que recolhíamos hortã-pimenta e consolda. A hortelã, ficará temporariamente a aromatizar o yurt e a consolda foi desidratada no velhinho forno solar com destino a infusões e macerações. Fizemos experiências com propagação de consolda e sabugueiro por estaca que esperamos que resultem, a ver vamos!

Ainda no exterior encontrámos um dos nossos “habitantes”, provavelmente a controlar a população de um “primo” que poderia causar estragos!

Finalmente, metemos mão na massa para fazer o nosso maravilhoso xarope de flor de sabugueiro que ficará durante algumas semanas a apurar até poder ser degustado! Só o cheiro é divinal! 😉

Já da parta da tarde libertámos mais uma área no yurt com o objectivo de ter um espaço maios e mais permanente de convívio e brincadeira junto ao solo, para nós e para a nossa menina! 😉

Colhendo Milho / Harvesting Corn

Land Nature Stewardship
portugal-flag-icon
Nos últimos dias temos vindo a colher algumas maçarocas que embora pequenas já justificaram a experiência pelas sementes biológicas que nos vão dar! 😉

united-kingdom-flag-icon
In the last few days we’ve been harvesting some corn that although small sized, have already justified the experiment because of the organic seeds carried! 😉

IMG_3012
IMG_3020
IMG_3021

Plântulas / Seedlings

portugal-flag-icon
Temos continuado a semear e já temos mais plântulas de Girassol, Alface, Feijão, Tomate Cherry e Milho a desenvolverem-se na nossa pequena estufa.

united-kingdom-flag-icon
We have continued to sow some more seeds, and right now we have more Sunflower, Lettuce, Beans, Cherry Tomato and Corn Seedlings developing in our little greenhouse.

As Três Irmãs / The Three Sisters

portugal-flag-icon
Em breve plantaremos em canteiro elevado as três irmãs – Abóbora, Milho e Feijão. Estamos a pensar criar um canteiro  numa pallet e aí aplicarmos esta técnica com um menor espaçamento. Só a experiência dirá se teremos resultados positivos.

Mais informação (Em Inglês): http://en.wikipedia.org/wiki/Three_Sisters_(agriculture)

united-kingdom-flag-icon
We will soon plant the three sisters – Squash, Corn and Beans. We are planing creating a raised bed on a pallet and apply this technique with less distance between plants. Only the experience will tell if we will succeed.

More info: http://en.wikipedia.org/wiki/Three_Sisters_(agriculture)

IMG_1084
IMG_1085
IMG_1086

Preparando “as Três Irmãs”.

No nosso espaço, vamos utilizar uma técnica ancestral que já era conhecida pelos nativos norte americanos. É conhecida como “as três irmãs”, onde o milho, o feijão e a abóbora são plantados juntos e intercalados para obtermos variados benefícios.

O milho servirá de suporte estrutural ao feijão que o vai trepar. Ao mesmo tempo servirá de abrigo a insectos predadores que se alimentarão de possíveis agressores ao feijão.

O feijão fixará nitrogénio no solo, para que no próximo ano o milho o possa utilizar, visto que o milho necessita desse nutriente em quantidade. Ajudará também a planta do milho a ficar mais estável na sua conexão ao solo protegendo de ventos mais fortes.

A abóbora cobrirá o solo com as suas folhas, protegendo o solo contra a perda de humidade e controlando o crescimento de outras plantas rasteiras indesejadas. Ao mesmo tempo servirá de abrigo a insectos predadores que se alimentarão de possíveis agressores ao feijão e ao milho.

Só vantagens! 😉

IMG_0866
IMG_0863
IMG_0864

Para saberem mais podem consultar a seguinte ligação em Inglês:
http://www.reneesgarden.com/articles/3sisters.html

Hoje não é café, mas sim farinha.

Na semana passada fornecemos uma dica de como poderemos fazer o nosso café sustentável. Esta semana não vamos falar de café, mas sim de farinha.

Depois das bolotas que ontem os nossos amigos nos deram, foi tempo de aproveitar o calor da salamandra para fazer mais experiências e para reduzirmos custos e a nossa pegada ecológica.

Pois é! Se ajustarmos o tempo que as bolotas estão no forno, podemos apenas aquecê-las até ao ponto em que tostamos apenas a casca para facilmente a podermos quebrar e retirar o miolo inteiro.

Depois basta moer o miolo com o nosso moedor de farinha manual e “voilá”! 😉 Farinha de bolota.

Para quem não sabe, antes de a batata e o milho terem sido trazidos da América Latina, a base da alimentação em Portugal era precisamente a bolota e a castanha. Fazia-se pão de bolota, bolos, etc…

Nós em breve também vamos recuperar essas receitas maravilhosas, autóctones, sustentáveis e ecológicas! 😉

P.S. – E sem glúten! 😉

IMG_9159
IMG_9161
IMG_9165
IMG_9169