Resiliência e Soluções

E hoje foi dia de ir para o telhado limpar os painéis fotovoltaicos e ainda ir buscar e integrar três novinhas habitantes, na mais recente área dedicada aos animais. Por aqui, as actividades não param e todos os dias são aproveitados ao máximo para investirmos na nossa resiliência, ao mesmo tempo que vamos inspirando quem nos segue, a encontrar as soluções que funcionem para si neste processo de “revolução disfarçada de jardinagem”! 😉

Tarefas Diárias

Os nossos meninos têm vindo gradualmente a assumir responsabilidades nas tarefas diárias que são necessárias realizar. Hoje deram a comida, mudaram a água nos dois espaços dedicados aos animais e limparam as duas capoeiras. Ainda deram uma espreitadela nas abelhas para ver se estava tudo bem com as nossas inquilinas! Muito bem! 😉

Nova Capoeira e Espaço dos Animais

Mais uma vez, apenas com material reutilizado e sobras, construímos de raiz uma segunda capoeira para o novo espaço dedicado aos animais. Desmontámos a velha escalada que já não estava a uso e adaptámos os cortes ao tamanho do resto de cobertura de painel sandwich que um amigo nosso nos tinha trazido já o ano passado. Ela toda abre para ser limpa, ou seja o painel frontal, o telhado e ainda a gaveta de chapa no fundo do galinheiro. Tem aberturas de respiração e pensadas de forma bioclimática com entradas de ar fresco por baixo nas laterais e saída do ar quente por respiradores no topo. Resultou muito bem e já lá colocámos duas nas nossas meninas. As outras duas ficam no espaço original e assim podemos aumentar a nossa capacidade de gerar alimento sob a forma de ovos, controlo de pragas e ainda produção de composto, assim que adicionarmos mais elementos ao espaço.

Potecção Animal

No mês de julho fomos com os nossos meninos, conhecer e aprender aqui perto, sobre muitos animais que não temos cá por casa ao mesmo tempo que apoiámos um projecto de protecção animal. Ficam aqui os poucos registos que fizemos pois de resto andámos para cima para baixo a dar comida aquela bicharada toda!

Um dia de cada vez! ;)

Hoje é mais um dia de acção com a pequenada a trepar, subir, descer, correr, escorregar, etc… enquanto o pai trata de fazer um upgrade para melhorar a passagem do ar e acelerar o arrefecimento passivo na porta de casa! Esta porta e também a madeira da cúpula de acrílico, precisarão de manutenção em breve, mas ainda há muitos projectos para avançar. Um dia de cada vez! Ainda fui dar uma espreitadela nas abelhas e lá estão elas bem empenhadas no seu trabalho e já a puxar bastante cera! 😉

Fonte de inspiração e Evolução

Não pude deixar de capturar aquela luz matinal a penetrar a micro floresta que estamos a co-construír e onde evoluímos juntamente com plantas e animais. Cada vez mais, vivemos e funcionamos em perfeita harmonia, ao mesmo tempo que nos inspiramos para continuar a cultivar a mente o espírito. 🥰

Abelhas, Energia e Produção Alimentar

Nos últimos dias, a colónia de abelhas que nos adoptou este ano, tem vindo a crescer em tamanho pois estão agregar gradualmente os seus membros. As armadilhas de vespa asiática estão a cumprir a sua função e já apanhámos um par delas. A energia do Sol carrega as baterias e os aparelhos necessários ao desenvolvimento do projecto de forma independente (off grid). E nós por aqui, tem sido plantar, mondar, fertilizar, transplantar, germinar e todas as actividade necessárias à produção alimentar dos próximos meses. Com a ajuda dos nossos meninos, preparámos mais vasilhas com composto de humanure bem curado, onde estamos este ano a experimentar plantar abóbora, maximizando a área ocupada e mantendo a versatilidade de mover as planta no espaço se necessário.

Sintonia com o Mundo Natural

Há quem diga que é sorte! Nós dizemos que é mesmo sintonia com o mundo natural. Qual a probabilidade de termos dedicado os útimos dois dias a preparar ao detalhe, todas as condições para as nossas meninas regressarem. Já chegaram e já estão a trabalhar. Bem-vindas a casa mais uma vez! 😍

Finalização do restauro e preparação da Colmeia

Ainda durante o dia de hoje, concluímos a preparação da colmeia, com uma nova inspecção ao interior. Mais uma vez trabalhámos com a nossa mais velhinha, conceitos educativos práticos de medida, corte e e correcto manuseamento de materiais com vista a dotar todos os quadros com cera nova e ainda a colocar um pouco de mel no suporte de atracção. Pela hora do almoço ficou o trabalho concluído e parece que não tivemos de esperar muito, pois a meio da tarde já muitas abelhinhas se encontravam à porta, no interior e no recipiente do mel, a explorar. Esperemos que seja o suficiente para irem avisar a colónia e ir buscar a rainha para colonizar mais uma vez esta casinha que preparámos para elas com todo o nosso carinho e dedicação.

Espaço Animais e Armadilhas para Vespa Asiática

Ora hoje foi mais um dia dedicado ao espaço dos animais. Iniciámos o dia cuidando das galinhas e do seu espaço, com uma limpeza mais profunda no telhado da capoeira, na caleira de captura de água da chuva e no depósito de recolha. De seguida avançámos com os meninos na preparação de 4 armadilhas para vespa asiática pois está a aproximar-se a possível época de andar por aqui. Ao mesmo tempo que reutilizamos materiais ainda se dá a oportunidade à nossa mais velhinha, de trabalharmos conceitos educativos práticos, como é o caso do correcto manuseamento de instrumentos de corte com x-acto e a motricidade fina.

Colmeia Restaurada

Hoje, finalmente com o tempo mais fresco, lembrei-me que ainda não tinha verificado a colmeia nos últimos tempos. Mais ou menos estava a imaginar que algum trabalho me esperava, pois as abelhas não há maneira de andarem por cá à procura de casa tão activamente como eu esperava. Quando abri a janela da colmeia vi logo que coisa boa não era. Ninhos de traça e larvas por todo o lado. Cortei tudo fora e apanhei as larvas para dar logo ás galinhas para tratarem do assunto! 😉 As próximas 4 horas foram de limpeza e restauro profundo, pois não conseguiria adiar mais esse trabalho e o bolor do inverno passado embora não tivesse avançado ou despoletado de novo a madeira estava com um aspecto horroroso. Toda a cera e propolis removida, quadros fora, limpeza das ranhuras para adicionar as placas de cera, foi tudo passado a pente fino com a rebarbadora e lixadeira. Finalmente o próximo enxame tem casinha limpa! Falta apenas adicionar a cera aos quadros e colocar uma tacinha com um pouco de mel para ver se as atraímos! 😉

Primeira Semana de Março

Ainda bem que a chuva começou a cair, mas todos os intervalos temporais sem chuva e vento é para aproveitar e meter mãos na massa a mondar, colher alimento, peneirar composto de humanure e a encher covetes de germinação com as próximas produções! A nossa menina já ajuda muito e cada vez sabe mais, sobre como produzir o seu próprio alimento! 😉

Colónias mais fortes e resilientes

As nossas meninas abelhas no final de Janeiro seguiram o seu percurso ao fim de uma estadia de 7 meses, mas deixaram-nos uma surpresa na colmeia. Abrimos tudo, raspámos o máximo de lixo e alguns pontos de bolor.
Aceitamos a dádiva que nos deixaram e recolhemos algum mel, mas alguns quadros, tinham o que nos parece criação e ao mesmo tempo mais mel, junto à madeira do topo.
Deixámos três quadros vazios junto á entrada para estarem afastados da parede para evitarem o contacto com possível bolor devido à condensação, colocámos quatro quadros completos com a suposta criação e reserva de mel e mais quatro quadros vazios até ao separador.
As formigas estavam a começar a atacar, então colocámos um sistema simples com água nos pés da colmeia, para lhes cortar o caminho.
É assim, enquanto aqui estiveram foram felizes, outras hão de voltar e ficámos com cera linda, e algum mel para os próximos tempos. 1,300 Kg para ser mais preciso, depois do processo completo.
É sempre devastador porque afeiçoamo-nos à tarefa de sermos cuidadores e facilitadores destes seres maravilhosos, mas por outro lado sabíamos desde o início que na nossa abordagem natural, tudo seria efémero e que teriam a algum ponto de seguir o seu caminho para se manterem fortes e resilientes. Contra natura seria querer aguentá-las aqui reféns da nossa vontade extractivista.
O amor é assim, chega, nós cuidamos e quando parte ficam as boas memórias. Deixámos já tudo preparado para uma próxima colónia que queira ser nossa inquilina em breve.